Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Ucrânia precisa de paz com a Rússia, diz Poroshenko

O presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko, declarou nesta terça-feira que a Ucrânia precisa de paz com a Rússia.


Sputnik

"É claro que precisamos da paz com a Rússia, uma paz fria, mas paz. A população está cansada da guerra e a propaganda russa está brincando com essa dolorosa emoção", disse Poroshenko.


Presidente da Ucrânia Pyotr Poroshenko em Kiev
Pyotr Poroshenko © Sputnik / Nikolay Lazarenko

Ele acrescentou que "a guerra e a paz serão uma das principais questões nas eleições, porque a população elegerá não só o presidente, mas o Comandante Supremo".

O presidente ucraniano também enfatizou que Kiev continuará a buscar uma solução para o conflito na região de Donbass por meios políticos e diplomáticos.

Ao mesmo tempo, ele ressaltou que apenas um "exército preparado para o combate pode garantir a paz". Além disso, Poroshenko informou que nos próximos cinco anos, a prioridade do governo continuará sendo a modernização do Exército.

A atual operação do Exército ucraniano em Donbass teve início em 2014 com o objetivo de reprimir uma revolta lançada por habitantes de Donetsk e Lugansk insatisfeitos com o golpe de Estado ocorrido em fevereiro daquele ano na Ucrânia. Apesar dos acordos firmados e diferentes regimes de trégua estabelecidos ao longo dos últimos anos, os combates entre as partes seguem até hoje na região.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas