Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Airbus e Dassault em parceria de dois anos de estudo de arquitetura do SCAF/FCAS

A França e a Alemanha concederam em 31 de janeiro um contrato de dois anos e 65 milhões de euros com a Airbus Defence and Space e a Dassault Aviation para definir a arquitetura geral e a organização industrial de sua aeronave de combate de próxima geração de acordo com altos funcionários franceses.


Por Giovanni de Briganti | Defense-Aerospace.com | Poder Aéreo

PARIS — O contrato inicia o novo sistema de combate, conhecido na França como o Sistema de Combate Aéreo Futuro (SCAF – Système de Combat Aérien Futur) e em inglês como o Sistema Futuro de Combate Aéreo (FCAS – Future Combat Air System), e foi concedido pela agência francesa de defesa DGA, atuando em em nome de ambos os governos, à Airbus e à Dassault como co-contratadas. Seu custo de 65 milhões de euros é dividido entre os dois países em uma base 50-50.


Conceito do FCAS - Airbus
Conceito do FCAS – Airbus

O contrato será anunciado oficialmente na quarta-feira, 6 de fevereiro, em Gennevilliers, perto de Paris, quando a ministra das Forças Armadas da França, Florence Parly, e sua colega alemã, Ursula von der Leyen, visitarão uma fábrica de Safran e testemunharão uma Carta de Intenções entre Safran e MTU Aero Engines no programa SCAF. Os ministros também visitarão o centro de pesquisa da PFX, onde a Safran está desenvolvendo palhetas de alta tecnologia para turbinas avançadas.

Ninguém estava disponível para comentar no Ministério da Defesa alemão. A Dassault Aviation direcionou a consulta ao Ministério das Forças Armadas, enquanto um porta-voz da Airbus Defence and Space disse que “na reunião do ministro no final de novembro, ambos os países comunicaram que a Airbus e a Dassault são ‘indicadas'” e negaram qualquer alteração de compartilhamento de trabalho.

Na verdade, seu status de co-contratante é limitado ao estudo de arquitetura e não modifica os papéis de liderança: a França liderará o projeto New-Generation Fighter, bem como o Sistema de Arma de Próxima Geração do qual é um componente, com a Dassault como líder industrial e a Airbus como parceira júnior.

A Airbus será responsável pelo Future Combat Air System, que integrará o NGWS com outros ativos de aviação e espaço interconectados.

Em troca, a Alemanha conduzirá o projeto do drone MALE Europeu e os Sistemas de Patrulha Marítima 2030 (ambos com a Airbus como líder da indústria) e o Sistema Futuro de Combate Terrestre bilateral, com a Rheinmetall ou KNDS como líder industrial, que substituirá o MBT Leopard 2 da Alemanha e o MBT Leclerc da França.

O contrato de arquitetura de 31 de janeiro dá início oficialmente ao projeto bilateral, que foi acordado pelo presidente francês Emmanuel Macron e pela chanceler alemã Angela Merkel em julho de 2017 e posteriormente firmado por um MoU entre seus dois ministros da Defesa e outro entre a Airbus e a Dassault, ambos assinados no Berlin Air Show em abril de 2018.

Em novembro, os dois ministros se reuniram novamente em Paris para preparar o trabalho para o contrato de 31 de janeiro.

O próximo passo, marcado para o Paris Air Show em junho, será a concessão de contratos para a Dassault e a Safran para projetar e construir demonstradores de tecnologia para a NGF e seu motor.
Arquitetura geral do SCAF/FCAS

Desde que o programa foi confirmado em abril, a arquitetura geral não mudou muito: a Dassault, com a Airbus D&S como parceira júnior, liderará o programa Next Generation Weapon System e seu principal componente, o New-Generation Fighter (NGF). Também desenvolverá, juntamente com o seu ambiente de apoio imediato que inclui wingmen não tripulados, caças legados como o Rafale-X e Eurofighter, aviões-tanque e aeronaves AEW&C.

A França também liderará o desenvolvimento dos motores do New Generation Fighter, que serão liderados pela Safran Military Engines com a alemã MTU Aero Engines como parceira júnior.

A Airbus DS, por outro lado, assumirá a liderança para a rede de sensores e sistemas nos quais o NGWS será integrado – o Future Combat Air System – e que está previsto como uma rede integrada de ativos espaciais, aeronaves tripuladas e não tripuladas, mísseis e outros ativos ISR e EW gerenciam a guerra aeroespacial.

Ainda há muito a ser decidido em termos de quais ativos serão combinados no SCAF/FCAS; a definição de suas missões e, portanto, seus requisitos técnicos, bem como quem os projetará e produzirá. Esses sistemas variam de mísseis a satélites, a radares baseados em terra a outros sensores, a elaboração de ordens táticas e estratégicas de batalha e a sua fusão em um quadro operacional comum. Este aspecto do trabalho de desenvolvimento também será liderado pela Airbus.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas