Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Almirante: EUA cogitam implantar bases militares no mar do Sul da China

A "militarização" chinesa do mar do Sul da China levou os EUA a discutirem a possibilidade de realocar forças norte-americanas e abrir bases na região, anunciou o chefe do Comando de Frotas dos EUA, almirante Philip Davidson, na terça-feira (12).


Sputnik

"Temos que aceitar o fato de que o ambiente está mudando tão drasticamente no mar do Sul da China que vai exigir novas abordagens. Isso nos obriga a pensar em alguns lugares ou em bases […] Estamos discutindo com parceiros e aliados sobre algumas oportunidades que podem ser encontradas lá", disse Davidson ao Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA.


Resultado de imagem para admiral philip davidson
Almirante Philip Davidson | Reprodução

Ele observou que o presidente chinês, Xi Jinping, não cumpriu uma promessa de 2015 de não militarizar o mar do Sul da China, assumida durante uma cerimônia na Casa Branca com o ex-presidente norte-americano Barack Obama.

Desde então, Pequim instalou mísseis de cruzeiro antinavio, mísseis terra-ar e bloqueadores eletrônicos em uma série de ilhas, algumas criadas artificialmente, no mar do Sul da China, destacou Davidson.

"Agora eles têm as armas. Eles têm quadros militares suficientes e aumentaram suas operações nas missões marítimas com bombardeiros e caças de uma maneira que fica claro que essas ilhas vão apoiá-los militarmente", frisou.

A China reivindica a soberania sobre todo o mar do Sul da China, uma via marítima internacional com tráfego de carga de petroleiros, cabos de comunicação submarinos, áreas que são igualmente reivindicadas por pelo menos seis outras nações.

Os EUA enviam frequentemente navios de guerra através desta via marítima, por vezes em conjunto com nações aliadas, algo que Washington chama de exercícios de "liberdade de navegação".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas