Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Canadá barra jornalistas da Sputnik para reunião do Grupo de Lima sobre Venezuela

O Ministério das Relações Exteriores do Canadá negou o credenciamento de jornalistas da Sputnik e da RIA Novosti para o encontro do Grupo de Lima sobre a Venezuela, em Ottawa.


Sputnik

O porta-voz da chancelaria do Canadá, Richard Walker, explicou ao correspondente da Sputnik que o credenciamento foi negado alegando que a agência de notícias “não tem sido cordial” com a ministra das Relações Exteriores do país, Chrystia Freeland. 


Encontro do Grupo de Lima
© AP Photo / Martin Mejia

"Obrigado pelo interesse no 10° encontro ministerial do Grupo de Lima em Ottawa. Este e-mail é para que vocês saibam que NÃO foram credenciados como mídia", afirmou o MRE do Canadá em carta original, notificando os jornalistas sobre a recusa.

O Grupo de Lima é composto por 14 países-membros e foi criado em agosto de 2017 com o objetivo de promover reformas democráticas na Venezuela.

A maioria dos Estados-membros criticou o governo do presidente venezuelano em exercício, Nicolás Maduro, além de reconhecer o líder da oposição, Juan Guaidó, como o presidente interino do país.

No domingo (3), o canal de televisão venezuelano Telesur afirmou que teve acesso negado para o encontro ministerial do Grupo de Lima pelo governo canadense, que não forneceu qualquer satisfação relacionada à recusa.

A Venezuela está enfrentando diversos protestos contra o governo, tendo Guaidó se declarado presidente interino do país em 23 de janeiro.

O Canadá, assim como os EUA e o Brasil, reconheceram Guaidó como presidente da Venezuela no mesmo dia da autoproclamação. Enquanto que a Rússia, China e alguns outros países reconhecem Nicolás Maduro como o legítimo presidente bolivariano.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas