Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

Chancelaria russa: EUA instigam abertamente à rebelião das Forças Armadas venezuelanas

Os EUA instigam abertamente as Forças Armadas da Venezuela à rebelião, disse a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.


Sputnik

Zakharova afirmou que tudo indica que os EUA escolheram o cenário de confrontação na Venezuela com o uso da força e nem tentam esconder isso.


Militares venezuelanos (imagem referencial)
Militares venezuelanos © Sputnik / Sergei Mamontov

"Todos os meios de pressão informacional e psicológica estão sendo usados, desde a manipulação e informações falsas na mídia até a chantagem direta e incitação ao ódio. O principal objeto desta influência são as Forças Armadas da República Bolivariana. Continua igualmente sendo feita pressão em larga escala no pessoal militar", disse Zakharova em uma entrevista na quinta-feira (14).

Assim, de acordo com Zakharova, EUA induzem o Exército venezuelano à revolta e políticos americanos de alto nível estão pedindo às Forças Armadas venezuelanas que passem para o lado da nova liderança autoproclamada.

"Que direito moral, depois disso, têm os EUA, em princípio, de falar sobre democracia e Estado de direito, tanto em um país em particular como na arena internacional? Não têm", disse ela.

No dia 31 de janeiro, o Parlamento Europeu pediu aos países europeus que se juntem ao reconhecimento do líder da oposição.

A Rússia, China, Irã e Turquia reafirmaram seu apoio ao atual governo venezuelano de Maduro, enquanto vários países latino-americanos, alinhados com os EUA e UE, expressaram apoio a Guaidó.

A crise política venezuelana se agravou no dia 23 de janeiro, depois que o chefe da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país durante protestos antigovernamentais realizados nas ruas de Caracas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas