Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Chanceler: Rússia não planeja ações militares conjuntas com Irã e Turquia na Síria

Não estão planejadas ações militares conjuntas da Rússia, Turquia e Irã no território da Síria, assegurou o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov.


Sputnik

"Não estamos planejando operações militares conjuntas da Rússia, Turquia e Irã no território da Síria", afirmou Lavrov em entrevista à TV Vietnamita e aos canais de TV chineses CCTV e Phoenix nas vésperas das suas visitas à China e ao Vietnã.


Militares russos durante cerimônia de visita do presidente russo, Vladimir Putin, à base aérea em Hmeymim, na Síria
Militares russos na Síria © Sputnik / Mikhail Klimentiev

Ao mesmo tempo, o diplomata destacou que a Rússia, a Turquia e o Irã são os garantidores de uma trégua na Síria.

O ministro explicou que a Federação da Rússia e a República Islâmica do Irã atuam no território da Síria a convite do governo legítimo da República Árabe.

"A Turquia citou a preocupação com a ameaça à sua segurança, mas o governo sírio protesta contra a presença dos militares turcos no território do país. No entanto, ele apoiou as a criação do formato de Astana. Essa é uma decisão pragmática que ajudou a alcançar o que ninguém tinha conseguido — garantir um verdadeiro cessar-fogo na maior parte da Síria e dar início a um diálogo direto entre o governo e a oposição armada", acrescentou.

Mais cedo, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, não descartou a possibilidade de ações militares conjuntas da Turquia, Rússia e Irã contra grupos radicais na província síria de Idlib.

A Síria enfrenta uma guerra civil desde 2011. As forças governamentais estão em confronto com numerosos grupos da oposição, militantes armados e organizações terroristas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas