Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

China está planejando abandonar política de 'não ser o primeiro a usar' armas nucleares?

A China poderia reconsiderar sua política de longa data de "não ser o primeiro país a utilizar" armas nucleares, de acordo com analistas.


Sputnik

Como sinal dessa crescente preocupação, o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou em outubro que sua decisão de se retirar do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) se deveu à necessidade de responder ao crescente potencial nuclear da China, gerando por sua vez preocupação no país asiático, de acordo com a edição chinesa South China Morning Post.


Soldados do Exército Popular de Libertação da China (PLA) na parada militar comemorativa do 90º aniversário do exército chinês, julho de 2017
Militares chineses em desfile © REUTERS / China Daily

À medida que a China vem avançando no desenvolvimento de suas armas e Washington e vem tentando limitar a capacidade militar de Pequim no mar do sul da China, os dois países começam a se envolver em uma competição na área nuclear.

De acordo com Zhao Tong, membro do Programa de Polícia Nuclear com sede no Centro Carnegie-Tsinghua para a Política Global, os EUA e seus aliados estão aumentando suas capacidades de guerra antissubmarina no mar do Sul da China e no oceano Índico.

Entretanto, diferente dos EUA, o país asiático não pode lançar um ataque preventivo devido à disparidade tecnológica, portanto, não lhe resta outra alternativa senão manter sua política de "não ser o primeiro a utilizar" armas nucleares, apontou o artigo.

Em um comunicado do final do ano passado, Zhao afirmou que tal aumentaria a desconfiança entre os dois países e também a possibilidade de que Pequim possa revisar a sua política de não ser o primeiro a usar armas nucleares, vigente desde os primeiros testes nucleares do gigante asiático em 1964.

Neste sentido, a série de mísseis JL, ou Julang, para submarinos de propulsão nuclear, faz parte de uma estratégia do Exército Popular de Libertação (EPL) de estender suas capacidades de retaliação nuclear do país.

No entanto, Song Zhongping, especialista militar, indicou que a capacidade nuclear da China também está muito atrás da da Rússia. Os EUA e a Rússia possuem mais de 90% das armas nucleares, reforçou.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas