Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

China está preocupada que inteligência artificial possa levar a novas guerras

Especialistas chineses estão preocupados por as tentativas de integrar a inteligência artificial em armas e equipamentos militares poderem levar à guerra entre nações, informou um novo relatório publicado pelo Centro para uma Nova Segurança Americana (CNAS).


Sputnik

Segundo o relatório, as autoridades chinesas consideram a inteligência artificial como uma ameaça à paz global porque esta já foi integrada nos serviços militares e de comunicação. O desenvolvimento da inteligência artificial poderia minar as normas internacionais de comunicação entre os países, gerando confusão e possíveis conflitos.


Resultado de imagem para Blowfish A2
Drone chinês Blowfish A2 | Reprodução

"O cenário específico descrito por mim [por um funcionário anônimo chinês] é uma escalada não intencional relacionada ao uso de um drone", revelou ao portal The Verge Gregory C. Allen, analista do CNAS.

Allen disse que a China está preocupada com os drones norte-americanos, que se tornaram menores e automatizados. Por outro lado, a China está ela própria sendo "mais agressiva no que se refere à introdução de maiores níveis de autonomia, mais perto do uso letal da força", revelou Allen. Um exemplo é o drone Blowfish A2, que a China exporta internacionalmente e que, segundo o analista, é anunciado como um drone capaz de ser totalmente autônomo.

Ele também destacou que os países ainda precisam definir "as normas do conflito armado" para os sistemas autônomos, pois essa incerteza pode se tornar uma "ameaça real e legítima".

Outra parte do relatório do CNAS analisa uma série de outras preocupações do governo chinês. De acordo com ele, Pequim reconhece que as duas únicas superpotências na área de inteligência artificial são os EUA e a China, e cada país tem seus próprios pontos fortes e fracos. A China tem acesso a mais dados, por exemplo, e tem potencial para ultrapassar a tecnologia ocidental, enquanto os EUA têm uma liderança significativa no desenvolvimento da tecnologia de chips — um componente vital das enormes séries de dados necessários para criar aplicativos de inteligência artificial.

Allen também destacou que há uma possibilidade de aumentar a cooperação internacional entre os EUA e a China na esfera da guerra moderna. As autoridades norte-americanas tendem a ser menos bem informadas sobre suas contrapartes chinesas, em parte porque muitos documentos políticos chineses nunca são traduzidos para o inglês.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas