Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Coalizão Internacional realiza ataque aéreo contra artilharia do Exército da Síria

De acordo com informações dadas à Sputnik News por uma fonte militar, a coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos realizou ataques aéreos contra a artilharia do Exército da Síria próximo da cidade de Abu Kamal, deixando ao menos dois militares feridos.


Sputnik

"Por volta das 23:30 no horário local [sábado (2), 19:30 no horário de Brasília] a aviação da coalizão internacional conduziu um ataque aéreo contra a artilharia de nossas forças operando na região de As Sukkariya, a Oeste de Abu Kamal […]. Como resultado dos ataques aéreos, a artilharia foi destruída e dois militares ficaram feridos", disse a fonte.


O céu de Damasco se ilumina com mísseis lançados pelos EUA na capital Síria.
© AP Photo / Hassan Ammar

Forças lideradas pelos EUA mataram ao menos 1.190 civis enquanto lutavam contra o grupo terrorista Daesh na Síria e no Iraque ao longo dos últimos três anos e maio, segundo divulgou a Força-Tarefa Conjunta Combinada — Operação Resolução Inerente (OIR) em seu relatório na quinta-feira (31). Em dezembro, a coalizão reportou 1.139 mortes de civis como consequência de 31.406 ataques durante toda a campanha na Síria.

A OIR disse através de um comunicado à imprensa na quarta-feira (30) que a coalizão conduziu 645 ataques na Síria e nove no Iraque durante um período de duas semanas entre 13 de janeiro e 26 de janeiro deste ano.

Ainda de acordo com a Operação, os ataques atingiram 394 unidades táticas do Daesh e destruiu 244 posições, 172 rotas de abastecimento, 85 áreas de treinamento, 21 veículos, 17 construções, 15 veículos transportando dispositivos explosivos de forma improvisada e 14 áreas de lançamento de morteiros.

Os ataques foram conduzidos enquanto os Estados Unidos se prepararam para deixar a Síria sob ordens do presidente norte-americano, Donald Trump, que disse que o Daesh foi derrotado.

A Síria permanece em conflito interno desde 2011, com grupos de oposição e organizações terroristas lutando contra o Exército sírio com o objetivo de derrubar o presidente do país, Bashar Assad.Em 2014, a coalizão liderada pelos EUA, que reúne mais de 70 países, lançou uma campanha militar contra o Daesh na Síria, porém sem autorização do governo local ou do Conselho de Segurança da ONU.

O governo da Síria tem repetidamente afirmado que todas as forças estrangeiras operando na Síria sem a permissão do governo estão violando a lei doméstica e também a legislação internacional e devem deixar o país.

O Daesh é uma organização terrorista banida da Rússia e de outros países.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas