Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Defesa russa divulga FOTO de fábrica nos EUA de mísseis proibidos pelo Tratado INF

O Ministério da Defesa russo publicou uma foto de uma fábrica nos EUA, da corporação industrial Raytheon, em que já há dois anos se iniciaram preparos para produção de mísseis proibidos no âmbito do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF, na sigla em inglês).


Sputnik

Mais cedo, o ministério afirmou que os EUA tomaram a decisão de abandonar o tratado vários anos antes de acusar a Rússia de o violar. Segundo o ministério russo, os preparos para produção de mísseis proibidos pelo tratado começaram ainda em 2017, usando as instalações da corporação Raytheon na cidade de Luzon, estado de Arizona, para criar mísseis de médio e curto alcance.


Foto de satélite da fábrica nos EUA da corporação industrial Raytheon na cidade de Tuzon, divulgada pelo Ministério da Defesa russo
Foto de satélite da fábrica nos EUA da corporação industrial Raytheon na cidade de Tuzon, divulgada pelo Ministério da Defesa russo © FOTO : MINISTÉRIO DA DEFESA DA RÚSSIA

Nos últimos dois anos, o território da fábrica aumentou 44%, de 55 a 79 mil metros quadrados. O número de funcionários aumentou quase para duas mil pessoas, de acordo com o ministério.

Além disso, o ministério recordou que em novembro de 2017, quase simultaneamente com a expansão das instalações da fábrica, o Congresso norte-americano alocou ao Pentágono a primeira tranche de US$ 58 milhões (R$ 212 milhões) mencionando abertamente que os recursos seriam destinados ao "desenvolvimento de um míssil terrestre de médio alcance".

"O caráter e os prazos dos trabalhos realizados evidenciam inegavelmente que a administração dos EUA tomou a decisão de sair do Tratado INF vários anos antes de acusar infundadamente a Rússia de violar o tratado", concluiu o ministério.

Na foto de satélite, divulgada pelo ministério e datada de 3 de dezembro de 2018, é mostrada a fábrica com território de 4.150x2.300 metros. A fábrica inclui três complexos industriais operacionais e um em construção, uma plataforma de testes, linhas de montagem e equipamento dos mísseis, instalações de laboratórios industriais, 36 armazéns semienterrados, uma subestação, bem com diferentes construções auxiliares.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas