Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Defesa russa divulga FOTO de fábrica nos EUA de mísseis proibidos pelo Tratado INF

O Ministério da Defesa russo publicou uma foto de uma fábrica nos EUA, da corporação industrial Raytheon, em que já há dois anos se iniciaram preparos para produção de mísseis proibidos no âmbito do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF, na sigla em inglês).


Sputnik

Mais cedo, o ministério afirmou que os EUA tomaram a decisão de abandonar o tratado vários anos antes de acusar a Rússia de o violar. Segundo o ministério russo, os preparos para produção de mísseis proibidos pelo tratado começaram ainda em 2017, usando as instalações da corporação Raytheon na cidade de Luzon, estado de Arizona, para criar mísseis de médio e curto alcance.


Foto de satélite da fábrica nos EUA da corporação industrial Raytheon na cidade de Tuzon, divulgada pelo Ministério da Defesa russo
Foto de satélite da fábrica nos EUA da corporação industrial Raytheon na cidade de Tuzon, divulgada pelo Ministério da Defesa russo © FOTO : MINISTÉRIO DA DEFESA DA RÚSSIA

Nos últimos dois anos, o território da fábrica aumentou 44%, de 55 a 79 mil metros quadrados. O número de funcionários aumentou quase para duas mil pessoas, de acordo com o ministério.

Além disso, o ministério recordou que em novembro de 2017, quase simultaneamente com a expansão das instalações da fábrica, o Congresso norte-americano alocou ao Pentágono a primeira tranche de US$ 58 milhões (R$ 212 milhões) mencionando abertamente que os recursos seriam destinados ao "desenvolvimento de um míssil terrestre de médio alcance".

"O caráter e os prazos dos trabalhos realizados evidenciam inegavelmente que a administração dos EUA tomou a decisão de sair do Tratado INF vários anos antes de acusar infundadamente a Rússia de violar o tratado", concluiu o ministério.

Na foto de satélite, divulgada pelo ministério e datada de 3 de dezembro de 2018, é mostrada a fábrica com território de 4.150x2.300 metros. A fábrica inclui três complexos industriais operacionais e um em construção, uma plataforma de testes, linhas de montagem e equipamento dos mísseis, instalações de laboratórios industriais, 36 armazéns semienterrados, uma subestação, bem com diferentes construções auxiliares.

Comentários

Postagens mais visitadas