Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Em meio a laços agitados com Síria, Erdogan diz ser importante não se afastar de inimigos

Ancara e Damasco romperam relações diplomáticas em 2012 após conflito armado na Síria. Em dezembro do ano passado, o chanceler turco, Mevlut Cavusoglu, afirmou que Ancara só estava em contato com Damasco através de países terceiros, como Rússia e Irã.


Sputnik

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou que Ancara mantém relações com a Síria por meio das agências de inteligência dos dois países, que podem manter ligação mesmo sem os líderes estarem na mesma sintonia.


Presidente turco Erdogan Recep Tayyip Erdogan e presidente sírio Bashar Assad (foto de arquivo)
Recep Tayyip Erdogan e Bahsar Assad © AFP 2018 / IBRAHIM USTA / POOL

"A política externa está sendo conduzida com a Síria a um baixo nível. Mesmo que seja seu inimigo, você não quebrará completamente os laços em caso de precisar deles", disse Erdogan à emissora estatal TRT.

Erdogan tem repetidamente excluído qualquer conversa direta com o presidente sírio, Bashar Assad, tendo o chanceler turco destacado em dezembro do ano passado que Ancara estava em contato com Damasco somente através de países terceiros, incluindo Rússia e Irã.

O governo turco consideram as Unidades de Proteção Popular (YPG) curdas na Síria parte do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que, consequentemente, está na lista de organizações terroristas da Turquia.

Tropas turcas e rebeldes do Exército Livre da Síria apoiados por Ancara realizaram duas operações militares na Síria nos últimos anos, justificando-as pela necessidade de proteger fronteiras com a Síria em meio à ameaça representada pelas forças curdas.

Militares turcos controlam as cidades de Afrin, Jarablus e Al-Bab, no norte da Síria, o que causa indignação de Damasco.

No início de dezembro, o presidente turco anunciou que Ancara estava pronta para lançar uma operação militar contra as milícias curdas — que considera serem grupos terroristas — na margem oriental do Eufrates, bem como na cidade síria de Manbij, localizada perto da fronteira turca, se os Estados Unidos não facilitarem a retirada da milícia da região.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas