Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Espanha se junta à França e Alemanha em projeto de novo caça europeu

A Espanha se juntará a um projeto franco-alemão para construir um novo caça para substituir o Eurofighter e o Rafale, informou o Ministério da Defesa espanhol nesta segunda-feira.


Sputnik

A ministra da Defesa, Margarita Robles, assinará uma carta de intenções com seus colegas franceses e alemães na próxima quinta-feira à margem de uma reunião da OTAN em Bruxelas, disse um porta-voz.


Resultado de imagem para FCAS
FCAS | Reprodução

O projeto lançado em julho de 2017 é conhecido como o Sistema Futuro de Combate Aéreo (FCAS), que além de uma nova aeronave de combate também planeja incluir drones e mísseis de cruzeiro.

O novo jato de combate substituirá o Eurofighter, que é montado na Alemanha, Grã-Bretanha, Espanha e Itália, e o francês Rafale, por volta de 2040. A nova aeronave competirá com o F-35 dos EUA ou seu sucessor.

Um primeiro contrato no valor de 65 milhões de euros foi concedido à Airbus e à Dassault Aviation em fevereiro para desenvolver o projeto do sistema de combate.

A Espanha, onde os aviões de transporte militar da Airbus estão reunidos, enviou uma carta em dezembro a Paris e Berlim pedindo para ser associada ao projeto.

O FCAS tem um rival — o projeto britânico Tempest, concedido à BAE Systems, e ao qual a Itália e a Holanda também aderiram.

Em um comunicado divulgado em dezembro, o Ministério da Defesa da Espanha disse estar "convencido de que os dois programas acabarão se fundindo, dados os enormes investimentos necessários em seu desenvolvimento".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas