Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

Especialista: EUA podem deixar na Síria forças treinadas para controle de jazidas

Os Estados Unidos não sairão da Síria até 1º de abril, mas poderão mover tropas, substituindo-as por unidades de empresas militares privadas para controle de jazidas minerais, disse Aleksei Podberezkin, diretor do Centro de Estudos Político-Militares do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou (MGIMO).


Sputnik

Como anteriormente disse à Sputnik o conselheiro do primeiro-ministro do Iraque, Abdulkarim Hashim Mostafa, Washington garantiu a Bagdá que os EUA retirariam suas tropas da Síria pelo território iraquiano até 1º de abril, assim que a operação no Eufrates Oriental e Banguze fosse concluída.


Soldados norte-americanos na Síria (foto de arquivo)
Militares dos EUA na Síria © AFP 2018 / Delil Souleiman

"É irreal, os americanos não vão sair por completo. No fim das contas, eles deixarão no seu lugar unidades treinadas de empresas militares privadas. Os norte-americanos flexibilizarão sua política, orientando-se no nordeste da Síria, onde há hidrocarbonetos", disse Podberezkin.

De acordo com o analista, a única saída de tropas norte-americanas da Síria possível é aquela que finge que sai. "Como no Afeganistão, eles não vão retirar todas as tropas", concluiu o especialista.

Desde 2014, os Estados Unidos e seus aliados realizam operação contra o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia) na Síria e no Iraque, operando na Síria sem permissão do governo oficial do país. Em dezembro do ano passado, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou a retirada das tropas da Síria sem especificar os prazos para esta retirada.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas