Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

'Estou preocupado': general americano revela 'dificuldades' de resistir às armas russas

Os EUA não são capazes de resistir aos mísseis russos, por isso é necessário prolongar o novo tratado START sobre a redução das armas nucleares assinado em 2010, afirmou o chefe do Comando Estratégico das Forças Armadas dos EUA, general John Hyten, citado pela edição RT.


Sputnik

Segundo John Hyten, a maior ameaça são os novíssimos mísseis de cruzeiro e hipersônicos, bem como o drone submarino russo Poseidon.


Resultado de imagem para John Hyten
John Hyten

"Estou preocupado há já 10 anos com essas armas, que em qualquer momento podem mudar de trajetória, e nós teremos dificuldades com elas", declarou Hyten, acrescentando que neste momento pode defender os EUA, mas que está preocupado quanto aos comandantes que ocuparão o seu cargo no futuro.

Discursando perante a Comissão de Serviços Armados do Senado na terça-feira (26), ele falou sobre as características dos mísseis russos, assinalando que os sistemas de defesa norte-americanos podem detectá-los, mas depois eles "desaparecem, e nós não os vemos no momento do ataque".

O general apelou ao Senado para aumentar os gastos militares para modernizar "a tríade nuclear" que inclui mísseis balísticos intercontinentais terrestres, bombardeiros estratégicos e mísseis balísticos lançados de submarinos. Tudo isso exige 3 trilhões de dólares.

O sistema Poseidon, entre outras novíssimas armas russas, foi apresentado pelo presidente do país, Vladimir Putin, em seu discurso à Assembleia Federal em 1º de março de 2018. Deverá ser incorporado à Marinha russa até ao fim do atual programa estatal de defesa, aprovado até 2027.

O Poseidon, que se encontra em estado de testes finais, pode ser equipado com munições convencionais e nucleares. Em essência, trata-se de um torpedo submarino capaz alcançar distâncias de até 10.000 quilômetros, navegar a grande profundidade e atingir velocidades até 200 km/h graças a um mecanismo de propulsão nuclear e com capacidade de destruir portos e cidades costeiras. Também pode causar cataclismos naturais, incluindo enormes tsunamis.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas