Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

EUA falam em enviar Maduro a "Guantánamo" se não aceitar transição de poder

John Bolton, assessor de segurança nacional do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, advertiu nesta sexta-feira que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pode acabar em "Guantánamo" (Cuba), onde os EUA têm uma prisão militar para suspeitos de terrorismo, se não deixar em breve o poder.


EFE

Washington - "Ontem tuitei que desejo para ele um aposentadoria longa e tranquila em uma bonita praia longe da Venezuela. E quanto mais rápido aproveitar essa oportunidade (de anistia), mais provável que poderá ter uma aposentadoria agradável e tranquila em uma praia bonita ao invés de estar em outra região praieira como a de Guantánamo", disse Bolton em entrevista a uma rádio.


EFE/ Shawn Thew
John Bolton | EFE/ Shawn Thew

Perguntado pela Agência Efe, um porta-voz de Bolton não quis fazer mais comentários sobre a afirmação do assessor de Trump, um conhecido defensor da prisão militar que os EUA têm na base naval de Guantánamo e que trabalhou para o presidente americano que abriu esse campo de detenção, George W. Bush (2001-2009).

A advertência de Bolton chegou em resposta a uma pergunta feita pelo apresentador de rádio conservador Hugh Hewitt, que indagou sobre se Maduro enfrenta um possível "final ruim" como os do ditador italiano Benito Mussolini e do romeno Nicolae Ceausescu, que morreram executados.

Bolton aconselhou nesta quinta-feira Maduro e seus principais assessores que "aproveitem a anistia" planejada aos políticos chavistas pelo chefe do Parlamento venezuelano, Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente interino da Venezuela e foi reconhecido pelos EUA e outros países.

O assessor de Trump desejou em seu tweet a Maduro "uma longa e tranquila aposentadoria, vivendo em uma bonita praia em um lugar longe da Venezuela", e a Casa Branca garantiu depois estar "aberta a ter conversas" sobre o presidente venezuelano poderia "ficar" se decidir deixar o poder.

"Não tenho certeza se alguém na Venezuela pode garantir a segurança de Maduro" caso fique no país depois de deixar o poder, disse um alto funcionário americano, que pediu o anonimato, em entrevista coletiva na quinta-feira.

"Maduro sente a necessidade de que sua equipe de segurança seja composta de pessoas não venezuelanas, mas cubanas e russas, portanto não acredito que Maduro se sinta seguro entre os venezuelanos, e provavelmente irá preferir outro lugar", acrescentou.

A advertência de Bolton sobre Guantánamo acontece quatro dias depois que o assessor de Trump gerou polêmica ao comparecer diante da imprensa na segunda-feira sustentando um papel no qual foi possível ler a frase "5 mil tropas à Colômbia".

Bolton não quis dar detalhes sobre o que significava essa referência, que um ex-funcionário do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Fernando Cutz, interpreta como uma possível "operação psicológica" para pressionar os militares venezuelanos e fazer com que rompam com Maduro, comentou.

O assessor de Trump confirmou, no entanto, que os Estados Unidos "não" estão planejando nenhuma intervenção militar iminente na Venezuela, seja de forma unilateral ou com a ajuda da Colômbia ou do Brasil.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas