Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

França quer desenvolver seu próprio 'Avangard' hipersônico, segundo mídia

Em cinco anos, a França planeja desenvolver seu próprio armamento hipersônico, de acordo com a revista norte-americana The National Interest.


Sputnik

Segundo a edição, o país já tinha lançado o projeto nomeado Experimental Maneuvering Vehicle (Veículo Experimental Manobrável) ou V-Max, que visa criar até 2021 um planador hipersônico capaz de atingir 6.000 km/hora.


A velocidade máxima do míssil Avangard, dotado de um corpo de titânio resistente às altas temperaturas, supera 20 vezes a velocidade do som
Lançamento do míssil russo Avangard © Sputnik / Ministério da Defesa da Federação da Rússia

The National Interest adiciona que o projeto também compreenderá a criação de uma arma nuclear estratégica e será desenvolvido pela empresa ArianeGroup, formada pelas Airbus e Safran. O míssil de cruzeiro hipersônico do sistema ar-ar ASN4G será a base para a nova arma. Prevê-se que o primeiro voo de testes do V-Max ocorra no final de 2021.

A alta velocidade dos mísseis hipersônicos pode proporcionar à França uma vantagem sobre os sensores antimísseis e os interceptadores projetados contra mísseis mais antigos e mais lentos. E, ao contrário dos mísseis balísticos, cujas ogivas seguem uma trajetória previsível e interceptável, os planadores hipersônicos podem manobrar na atmosfera como aviões ultrarrápidos.

Entretanto, a edição aponta que, apesar de o país possuir avançados desenvolvimentos tecnológicos, além de ter uma indústria aeroespacial moderna, o prazo de cinco anos é curto demais.

A revista frisa também que a França pode ser a primeira nação europeia a desenvolver seu próprio armamento hipersônico e entrar no assim chamado "clube hipersônico", que já inclui a Rússia, os EUA e a China, enquanto o sistema mais avançado desse tipo é o Avangard russo, considerado como invulnerável para a defesa antiaérea dos EUA.

Em dezembro de 2018, o Ministério da Defesa russo, por ordem do presidente russo, Vladimir Putin, efetuou um voo de testes do míssil Avangard, que acabou bem-sucedido ao atingir o alvo aproximadamente a 6.000 km da área de lançamento.

Assim, o programa de testes de voo do Avangard já foi cumprido, possibilitando que neste ano o sistema entre em serviço das Forças Armadas russas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas