Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Grupo de Lima bane autoridades venezuelanas de entrarem em território de países membros

O Grupo Lima concordou em impedir que autoridades venezuelanas de alto nível entrem em território de Estados membros do grupo.


Sputnik

O Grupo Lima também suspenderá a cooperação militar com o governo venezuelano. O grupo também disse em uma declaração que vai avaliar a restrição de empréstimos ao governo venezuelano em organizações das quais os países do grupo Lima são membros.


Cúpula do Grupo de Lima não reconheceu a legitimidade do novo mantado presidencial de Nicolás Maduro na Venezuela
Reunião do Grupo de Lima © REUTERS / Mariana Bazo

Formado por 14 Estados membros, o grupo foi estabelecido em agosto de 2017 para promover reformas democráticas na Venezuela. A maioria dos países-membros criticou o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e reconheceu o líder da oposição, Juan Guaidó, como líder interino do país.

As tensões na Venezuela aumentaram há quase duas semanas, depois que o líder da oposição Juan Guaidó se declarou presidente interino, contestando a reeleição do presidente Maduro no ano passado. Os Estados Unidos e vários outros países reconheceram rapidamente o líder da oposição como o líder legítimo do país. Rússia, China, México, Turquia, Noruega e Uruguai estão entre as nações que manifestaram seu apoio a Maduro como o chefe de Estado legitimamente eleito do país.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas