Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

Guaidó nega que Maduro conte com amplo apoio da Rússia

O presidente da Assembleia Nacional (parlamento) da Venezuela, Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente interino do país, negou nesta terça-feira que a Rússia apoie amplamente o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, em entrevista ao jornal russo "Novaya Gazeta".


EFE

Moscou - "Não houve nenhum novo crédito nem nenhum grande investimento. Apenas declarações públicas. Não vejo isto como um amplo apoio", afirmou o deputado opositor.


EFE/Embaixada da Colômbia
EFE/Embaixada da Colômbia

Guaidó não quis criticar a cooperação russa com o regime venezuelano e lembrou que "a Rússia tem grandes investimentos na Venezuela: petróleo e gás", mas advertiu que, "atualmente, Maduro não defende ninguém".

"Nem do perigo, nem da fome, nem da perseguição. E também não defende os investidores. Maduro é um péssimo sócio para a democracia, os direitos humanos e os investimentos", acrescentou Guaidó.

Em particular, o líder da oposição destacou que "o regime de Maduro simplesmente roubou parte do investimento. Pegaram o dinheiro e não estão pagando as obrigações contraídas com a Rússia".

Guaidó afirmou que "o melhor que pode acontecer é a mudança deste regime por outro que estabilize a situação para que os investidores possam investir".

Além disso, o político do partido Vontade Popular (VP) tachou de "propaganda" as acusações de que seria um "protegido" de Washington.

"Nosso principal cliente sempre foram os Estados Unidos, mas também trabalhamos com a Rússia, e com a China e a Índia. Todos os países que nos apoiam terão nosso respeito e apoio", disse Guaidó.

O presidente da Assembleia Nacional garantiu ao "Novaya Gazeta", o meio de comunicação mais crítico com o Kremlin, que "a maioria dos venezuelanos quer mudanças", assim como "80% das Forças Armadas", e também a comunidade internacional.

Guaidó qualificou Maduro de "ditador", considerou que é sua obrigação criar um governo de transição e realizar eleições livres "o mais rápido possível" e adiantou que continuará com os protestos populares até conseguir seu objetivo.

O secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev, disse hoje que os EUA estão preparando uma intervenção militar no país latino-americano para derrubar Maduro, que foi "eleito" legitimamente.

Para Patrushev, a mobilização recente de forças especiais americanas tanto em Porto Rico como na Colômbia são indícios dessa intenção.

A Rússia vem acusando os EUA há algumas semanas de prepararem uma mudança violenta de regime na Venezuela sob a fachada de uma operação humanitária.

Desde um primeiro momento, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, apoiou Maduro diante do que chamou de "ingerência destrutiva" dos EUA e defendeu o diálogo para solucionar a crise.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas