Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Índia interessada em drones ‘suicidas’ israelenses IAI Harop

O Ministério da Defesa da Índia está interessado na aquisição de 15 drones “suicidas” Harop, fabricados pelo grupo israelense IAI (Israel Aerospace Industries).


Por Roberto Lopes | Poder Aéreo

A informação, divulgada na última quinta-feira (31.01) pelo portal de notícias vietnamita DatViet, reproduz uma notícia publicada, originalmente, no início da semana que passou, pelo conceituado jornal The Jerusalem Post (o mais importante diário israelense no idioma inglês).


Resultado de imagem para IAI Harop
IAI Harop | Reprodução

Segundo o Post, a encomenda das aeronaves já foi feita. Mas não há confirmação desse pedido, ou indicação de seus custos.

A primeira menção ao IAI Harop data de 2013, época em que o veículo foi apresentado como um “drone anti-radiação”, isto é, um vetor que detectava a fonte de emissões de radar do inimigo e a atacava diretamente, colidindo com ela como um carro-bomba, ou um “bombardeiro suicida” – imagem lançada pelos aviões “kamikaze” japoneses que se projetavam sobre os porta-aviões e demais navios americanos de superfície no Oceano Pacífico, durante a 2ª Guerra Mundial.

Mais tarde a indústria israelense estabeleceu que o Harop poderia ser programado, ou controlado, para atacar qualquer tipo de alvo.

Motor-foguete 

Uma das maiores vantagens desse UAV (Unmanned Aircraft Vehicle) é que ele decola movido por um motor-foguete, que queima combustível durante alguns segundos – o bastante para que ele se estabilize em voo, e acione um propulsor a hélice.

Isso o habilita a alçar voo a partir de curtas pistas de pouso em terra, ou mesmo de um contêiner a bordo de um barco de guerra pequeno, como lanchas lança-mísseis, corvetas ou fragatas.

No ar seu voo é facilitado por uma envergadura de asa da ordem de 3 metros.

O Harop pode operar continuamente por cerca de 6 horas, e nesse espaço de tempo cobrir até 1.000 km. Sua velocidade é, contudo, mantida em segredo.

Caso não detecte seu alvo – e, portanto, não mergulhe para o ataque – o Harop pode, eventualmente, voar de volta à base (ou até um aeródromo amigo) e pousar suavemente, em perfeita segurança, como qualquer UAV dotado de inofensivas câmeras de alta resolução, para reconhecimento.

A capacidade de destruição do IAI Harop reside na ogiva que ele transporta, de 23 kg de alto explosivo.

Fontes israelenses citadas pela reportagem do The Jerusalem Post especulam que Israel tenha destruído o sistema de defesa aérea russo Pantsir-S1 (viatura que transporta um mix de canhões de tiro rápido e mísseis), na Síria, com a “munição Harop”.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas