Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Irã é ameaça crescente às rotas de navegação no Oriente Médio, diz vice-almirante dos EUA

Teerã está usando suas crescentes capacidades militares e rotas marítimas do Oriente Médio para expandir seu modelo na região, alertou o chefe do Comando Central das Forças Navais dos EUA (Navcent), James Malloy.


Sputnik

"[Iranianos] estão aumentando a sua capacidade em mísseis de cruzeiro, aumentando a sua capacidade em mísseis balísticos, aumentando a sua capacidade em sistemas de superfície autónomos, tudo isto que vemos é de natureza ofensiva e desestabilizadora", disse o vice-almirante.


Navios militares iranianos durante reabastecimento, no Porto Sudão, em 6 de maio de 2014
Navios militares iranianos © AFP 2018 / STR

Durante uma reunião na quarta-feira (13), Malloy afirmou a repórteres no Bahrein que o Irã está usando as hidrovias da região para exportar "materiais, armas e mísseis para seus seguidores regionais, a fim de difundir sua versão dessa região, com eles [iranianos] como força dominante", além de acusar Teerã de contrabando de armas e mísseis.

"Já os vimos no mar Vermelho com sistemas não tripulados, aéreos e de superfície, já os vimos usando o transporte marítimo para exportar seu modelo da região com eles no comando, desestabilizando os países que podem se opor a seu modo de pensar", complementou.

O vice-almirante americano se mostra confiante quanto às capacidades de contenção dos EUA na região, que contam com o apoio de países aliados, como o Reino Unido, além de 21 navios, incluindo barcos-patrulha, dragaminas e navios da guarda costeira.

Por ser uma das rotas petrolíferas mais importantes do mundo, a zona marítima em que o Irã opera (que inclui o estreito de Ormuz, que liga o golfo de Omã ao golfo Pérsico), é a via através da qual passa mais de um terço de todo o petróleo bruto transportado por via marítima.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas