Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Prestes a 'ganhar' território do tamanho da Arábia Saudita, Brasil carece de recursos para defesa

A ONU deve ratificar no próximo mês, o pleito brasileiro em estender sua faixa de águas jurisdicionais em pelo menos 2,1 milhões de km², uma área equivalente à extensão da Arábia Saudita. Para especialista ouvido pela Sputnik Brasil, movimento precisa vir acompanhado de modernização da Marinha.
Sputnik

Como a Sputnik Brasil mostrou em maio, a demanda já dura há pelo menos 30 anos e tem relação com medições técnicas sobre o ponto onde termina o Brasil continental e até onde é lícito explorar as águas do entorno. O mar territorial brasileiro têm atualmente cerca de 12 milhas náuticas (22 quilômetros) na faixa de água e uma zona econômica exclusiva de 200 milhas náuticas (370 quilômetros). Na parte de solo e sub-solo, área na qual o Brasil pleiteia a extensão, há um limite de mais 200 milhas regulamentadas.

Responsável pela proteção da área oceânica, a Marinha brasileira vem desenvolvendo pesquisas na região desde 2004. Os militares já identificaram potencial possibilidade de exploração de …

Juan Guaidó diz esperar que nunca ocorra uma ação militar externa na Venezuela

Governo dos EUA diz que 'todas as opções estão à mesa' para conter o regime de Nicolás Maduro. O presidente interino declarado, no entanto, disse a jornal argentino que se espera que não haja ação militar externa.


France Presse

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, afirmou nesta sexta-feira (1º) que tem esperança de que a crise no país nunca seja resolvida com uma intervenção armada. A declaração foi feita ao jornal "Clarín", da Argentina.

Juan Guaidó participa de ato público na Universidade Central, em Caracas, na Venezuela, na quinta-feira (31) — Foto: Federico Parra/AFP
Juan Guaidó participa de ato público na Universidade Central, em Caracas, na Venezuela, na quinta-feira (31) — Foto: Federico Parra/AFP

Quando perguntado por escrito se ele concordaria com uma ação militar de um ou mais países, ele respondeu: "Com absoluta sinceridade, eu lhes digo que espero que isso nunca aconteça".

"Nossa luta democrática e adesão à Constituição é muito difícil, mas acreditamos nela e queremos evitar um resultado violento", disse.

Dirigentes chavistas fiéis ao presidente Nicolás Maduro afirmam que os Estados Unidos tentam justificar uma ação militar na Venezuela, apesar de o governo de Donald Trump falar de "muitas opções para conseguir uma saída pacífica para a crise".

"Não posso deixar de repetir qual é o nosso roteiro: fim da usurpação, governo de transição e eleições livres", afirmou o autoproclamado presidente no site do jornal argentino.

A uma pergunta sobre os aliados de Maduro, Guaidó disse que "se há governos ao redor do mundo que são testemunhas diretas da corrupção generalizada e do desperdício ocorrido na Venezuela nos últimos 20 anos são a China e a Rússia".

"A determinação do governo de transição que estamos perfilando é a de honrar todos os compromissos que a República legalmente adquiriu, isto é, aqueles validamente aprovados pela Assembleia Nacional. E nós também respeitaremos os investimentos legítimos feitos pelas empresas desses países", afirmou.

Quando perguntado sobre sua posição quanto à Força Armada, declarou:

"Nossa mensagem aos nossos militares, alto comando e outros oficiais, é muito clara: nós não queremos que apoiem um partido político ou um lado."

"Também não queremos que haja divisões, ou que apliquem um golpe de Estado", acrescentou. "Pedimos a eles que cumpram e apliquem a Constituição. Sua lealdade não é a um indivíduo, mas à nação que lhes confiou as armas para defendê-la", disse.

Sobre se acredita que Maduro conta na Venezuela com um grupo de mercenários da Rússia, ele respondeu que "para o governo da Federação Russa, tentar apoiar Nicolás Maduro é sem sentido. Um gasto inútil. Espero que essa informação não seja verdadeira".

Protesto no sábado

Nesta sexta-feira, em Caracas, Guaidó vai definir os planos para a entrada de ajuda humanitária ao país, enquanto se prepara para liderar no sábado uma marcha em apoio ao ultimato europeu dado ao presidente Nicolás Maduro para convocar "eleições livres".

A tensão aumenta a cada convocação de novo protesto, já que distúrbios desde 21 de janeiro deixaram cerca de 40 mortos e mais de 850 detidos, segundo a ONU, enquanto em 2014 e 2017 duas ondas de manifestações resultaram em cerca de 200 mortes.

Guaidó se autoproclamou presidente após o Congresso declarar Maduro "usurpador" depois de assumir um segundo mandato considerado ilegítimo, por ter sido resultado de eleições "fraudulentas".

Assessor de Trump quer que Maduro 'se aposente'
O assessor de segurança nacional de Trump, John Bolton, afirmou ontem pelo Twitter que deseja a Maduro uma "aposentadoria longa e tranquila em uma bonita praia longe da Venezuela". "Eles [Maduro e assessores] devem se aproveitar da anistia concedida por Guaidó e partir. O mais rápido possível", escreveu.

Em entrevista a uma rádio nesta sexta-feira, o braço direito do presidente norte-americano comentou que o venezuelano poderia acabar em Guantánamo (Cuba), onde os EUA têm uma prisão militar para suspeitos de terrorismo.

"Ontem tuitei que desejo para ele um aposentadoria longa e tranquila em uma bonita praia longe da Venezuela. E quanto mais rápido aproveitar essa oportunidade (de anistia), mais provável que poderá ter uma aposentadoria agradável e tranquila em uma praia bonita ao invés de estar em outra região praieira como a de Guantánamo", disse Bolton em entrevista a uma rádio.

Perguntado pela Agência EFE, um porta-voz de Bolton não quis fazer mais comentários sobre a afirmação do assessor de Trump – um conhecido defensor da prisão militar que os EUA têm na base naval de Guantánamo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas