Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Kremlin: imposição de quaisquer soluções é interferência direta nos assuntos da Venezuela

O porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, declarou que o desejo de legitimar a tentativa de usurpar o poder na Venezuela é uma interferência direta nos assuntos do país, que não contribui para a solução efetiva e pacífica da crise.


Sputnik

"Qualquer solução para a crise política interna da Venezuela só é possível pelos próprios venezuelanos. A imposição de soluções ou legitimar a tentativa de usurpar o poder é, em nossa opinião, tanto uma interferência direta quanto indireta nos assuntos internos da Venezuela", disse Peskov.


Manifestantes entram em conflito com a polícia durante manifestação para exigir um referendo para destituir o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em Caracas, 1º de setembro de 2016
© REUTERS / Carlos Garcia Rawlins

O comunicado do porta-voz russo a repórteres foi feito enquanto comentava o reconhecimento pelos países da União Europeia de Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

Segundo o representante do Kremlin, essa interferência "não contribui de forma alguma para uma solução pacífica, eficaz e viável da crise vivida pelos venezuelanos, que […] devem ultrapassar sozinhos a crise".

Na segunda-feira (4), o premiê da Espanha, Pedro Sánchez, reconheceu o líder oposicionista do país caribenho. Logo após a declaração espanhola, a França, a Suécia, a Áustria, a Dinamarca, a Alemanha, a Holanda e o Reino Unido também reconheceram Guaidó.

No dia 31 de janeiro, o Parlamento Europeu solicitou à chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, e aos governos dos países-membros, que se juntassem ao reconhecimento do líder da oposição.

Guaidó, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, autoproclamou-se chefe de Estado interino no dia 23 de janeiro, o que ocasionou uma série de manifestações e crise no país.

Os EUA e vários outros países anunciaram o reconhecimento de Guaidó e exigiram que o reeleito presidente venezuelano Nicolás Maduro não permitisse o uso da força contra a oposição. Para o líder venezuelano, Washington está arquitetando um golpe de Estado em Caracas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas