Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Maduro diz que, se houver intervenção, as perdas dos EUA serão irreparáveis

O presidente venezuelano Nicolás Maduro deu uma entrevista exclusiva ao RT, na qual comentou a crise política vivida no seu país e explicou as razões e possíveis consequências de uma intervenção militar dos EUA na Venezuela.


Sputnik

Nicolás Maduro declarou durante a entrevista ao RT que a razão por que os EUA querem intervir militarmente na Venezuela são os recursos naturais, o petróleo, o gás e o ouro, bem como a "riqueza moral da revolução bolivariana".


Nicolás Maduro, presidente da Venezuela
Nicolás Maduro | Juan Barreto/AFP

"Nós temos armas de destruição em massa? Nós somos uma ameaça para a segurança dos EUA?", perguntou o líder venezuelano.

"O 'casus belli' é a riqueza moral da revolução bolivariana, acabar com uma revolução que dá exemplo de independência e justiça social", afirmou Maduro, assinalando que o presidente dos EUA Donald Trump "deve retirar imediatamente a sua ameaça militar contra um povo pacífico e nobre, o povo da Venezuela".

Segundo Maduro, a diplomacia da paz e a opinião pública mundial devem ajudar a evitar uma invasão norte-americana, que resultaria "irreparável do ponto de vista de perdas militares e humanas" para Washington. Ele prometeu que aproveitaria "cada mídia para pedir ao mundo inteiro que saia em paz para denunciar e deter a loucura de Donald Trump".

Além disso, o mandatário venezuelano abordou o tema das eleições, ressaltando que "na Venezuela não há falta de eleições", já que durante os últimos 20 anos no país tiveram lugar 25 eleições. As próximas eleições são as legislativas que, conforme o calendário eleitoral, ocorrerão em 2020.

A crise política venezuelana se agravou no dia 23 de janeiro, depois que o chefe da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país durante protestos anti-governamentais realizados nas ruas de Caracas.

Os EUA, vários países da Europa e da América Latina, inclusive o Brasil, reconheceram o líder da oposição como presidente interino legítimo do país. A Rússia, China, México, Turquia, Noruega e Uruguai estão entre as nações que manifestaram seu apoio a Maduro como chefe de Estado legitimamente eleito do país.

Comentários

Postagens mais visitadas