Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Prestes a 'ganhar' território do tamanho da Arábia Saudita, Brasil carece de recursos para defesa

A ONU deve ratificar no próximo mês, o pleito brasileiro em estender sua faixa de águas jurisdicionais em pelo menos 2,1 milhões de km², uma área equivalente à extensão da Arábia Saudita. Para especialista ouvido pela Sputnik Brasil, movimento precisa vir acompanhado de modernização da Marinha.
Sputnik

Como a Sputnik Brasil mostrou em maio, a demanda já dura há pelo menos 30 anos e tem relação com medições técnicas sobre o ponto onde termina o Brasil continental e até onde é lícito explorar as águas do entorno. O mar territorial brasileiro têm atualmente cerca de 12 milhas náuticas (22 quilômetros) na faixa de água e uma zona econômica exclusiva de 200 milhas náuticas (370 quilômetros). Na parte de solo e sub-solo, área na qual o Brasil pleiteia a extensão, há um limite de mais 200 milhas regulamentadas.

Responsável pela proteção da área oceânica, a Marinha brasileira vem desenvolvendo pesquisas na região desde 2004. Os militares já identificaram potencial possibilidade de exploração de …

Marinha dos EUA se despede dos caças F/A-18C Hornet

O Strike Fighter Squadron (VFA) 34, organizou a cerimônia de despedida e sobrevoo do antigo F/A-18C Hornet na Naval Air Station Oceana em Virginia Beach, Virgínia, em 1 de fevereiro.


Poder Aéreo

Membros do serviço ativo, liderança em aviação, mídia local e visitantes compareceram para comemorar os 35 anos de serviço ativo da aeronave na frota.


F/A-18C Hornet | Reprodução

“Hoje a nossa família VFA-34 faz as despedidas operacionais a um velho amigo”, disse o comandante do VFA-34, William Mathis. Nascido há mais de 40 anos, o Hornet entrou em serviço operacional para a Marinha dos EUA em 1984 e, nos 35 anos seguintes, serviu orgulhosamente ao país a partir do convés de voo de porta-aviões em todos os mares do mundo.”

O F/A-18 Hornet entrou em serviço operacional para a frota em 1984. A primeira missão de combate da aeronave foi em 1986 durante a Operação El Dorado Canyon e o Hornet continuou a servir em todas as principais operações militares dos EUA, incluindo a Guerra do Golfo, Guerra do Iraque, Enduring Freedom, Iraqi Freedom, Inherent Resolve e mais recentemente serviu em 2018 a partir do convés de voo do USS Carl Vinson (CVN 70) com o Strike Fighter Squadron (VFA) 34.

Os Blue Blasters do VFA-34 foram o último esquadrão da Marinha dos EUA a voar no Hornet, mais recentemente juntando-se ao USS Carl Vinson (CVN 70) para realizar patrulhas da Liberdade de Navegação no Mar do Sul da China em 2018.

O F/A-18C Hornet está sendo substituído pelo F/A-18E Super Hornet, que é capaz de executar as mesmas missões que o Hornet, mas com avanços significativos em sistemas de missão que aumenta drasticamente sua eficácia.

“O Hornet é conhecido por muitas coisas”, disse o comandante Mathis: “legado, aeronave de ataque altamente confiável, multi-função… mas para nós, ele sempre será um velho amigo. O Hornet continuará a servir com o Corpo de Fuzileiros Navais (USMC) e unidades de apoio da Marinha, mas para a Marinha operacional, é hora de dizer adeus. Assim, dos homens e mulheres que voaram e mantiveram o lendário F-18 Hornet, agradecemos pelo seu serviço e trabalho bem feito.”

FONTE: Marinha dos EUA

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas