Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Militares reforçam fronteira entre Venezuela e Brasil, diz deputado opositor

O deputado opositor Angel Medina afirmou na sexta-feira que o governo venezuelano reforçou a presença militar na fronteira com o Brasil, país que pode ser um centro de coleta de ajuda humanitária solicitada pelo Parlamento e que o presidente Nicolás Maduro se nega a aceitar.


EFE

Caracas - "Eles reforçaram a presença militar na fronteira com o Brasil. Limitam o tráfego e realizam buscas detalhadas em veículos, buscando ajuda humanitária", disse no Twitter, especificando que a presença militar foi reforçada na estrada de Santa Elena de Uairen, no estado venezuelano de Bolívar, no sul do país.


O deputado opositor venezuelano Angel Medina. EFE/Cristian Hernández
O deputado opositor venezuelano Angel Medina. EFE/Cristian Hernández

Em meio à crise venezuelana e que ocasionou a escassez de medicamentos e alimentos, o Parlamento venezuelano, presidido pelo opositor Juan Guaidó, solicitou no mês passado a ajuda humanitária.

O líder opositor - que se autoproclamou presidente encarregado da Venezuela por considerar que Maduro "usurpa" o poder ao vencer as eleições classificadas de "fraudulentas"- anunciou na semana passada, que em Cúcuta (Colômbia), Brasil e uma ilha do Caribe seriam os centros de coleta para esta ajuda.

Após esse anúncio, na última quarta-feira, o governo de Porto Rico enviou um carregamento de ajuda humanitária à Venezuela.

Nesse mesmo dia, o deputado Franklyn Duarte fez uma queixa semelhante a Medina, mas no estado de Táchira, na fronteira com a Colômbia, para garantir que houvesse um bloqueio na ponte Tienditas, uma infraestrutura sem inauguração que liga Cúcuta com a cidade venezuelana de Ureña e para o qual a entrada da ajuda foi antecipada.

Mas hoje, o governo venezuelano disse que os obstáculos nessa ponte não são novos ao lembrar que a infraestrutura não foi inaugurada, enquanto Maduro reiterou sua recusa em aceitar a ajuda humanitária por considerá-la "esmola" e "humilhação".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas