Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Moscou avisa seriamente Ocidente contra ideias arriscadas de usar a força na Venezuela

O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov declarou que a Rússia avisa seriamente o Ocidente contra ideias arriscadas de levar adiante um cenário de força na Venezuela.


Sputnik

Para o vice-chanceler russo, "uma intervenção externa destrutiva, especialmente uma intervenção militar nos assuntos internos venezuelanos é o pior de todos os cenários possíveis".


Manifestantes por trás de uma barricada em chamas durante protestos em Caracas, Venezuela
Protestos na Venezuela © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins

"É difícil prever suas consequências, mas é claro que o hipotético uso da força nessa situação levará a uma onda de derramamento de sangue que teria consequências fora da Venezuela", disse Ryabkov.

Segundo o diplomata russo, a intervenção militar nos assuntos internos da Venezuela é o pior cenário e suas consequências afetarão não apenas a Venezuela, mas também outros países.

"Sublinho que não queríamos enunciar esse tipo de previsões, apenas fazemos mais uma vez um aviso sério contra tais ideias aventureiras se elas existirem entre alguns políticos responsáveis do hemisfério ocidental", sublinhou o vice-ministro.

Além disso, a Rússia está preocupada com o fato de os participantes do grupo de contato para a Venezuela, ao que parece, não irem prestar atenção ao diálogo interno no país durante a reunião no Uruguai.

"Estamos preocupados por, segundo as informações recebidas, durante esse evento, [poder ser prestada] menos atenção do que se esperava anteriormente, quando apenas o México e o Uruguai tiveram tal iniciativa, ao tema do diálogo, ao tema da reconciliação interna da Venezuela", explicou Ryabkov.

A crise política venezuelana se agravou no dia 23 de janeiro, depois que o chefe da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país durante protestos antigovernamentais realizados nas ruas de Caracas. O atual presidente Nicolás Maduro acusou Washington de estar orquestrando um golpe na Venezuela, tendo chamado Guaidó de "marionete dos EUA".

O líder da oposição tem sido apoiado pelos EUA e alguns outros países. A Rússia, China, México e Turquia estão entre as diversas nações que manifestam seu apoio a Maduro como chefe de Estado legitimamente eleito do país.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas