Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

MRE cubano denuncia voos da Força Aérea dos EUA rumo a países caribenhos

O Ministério das Relações Exteriores de Cuba revelou voos de aviões de transporte militares dos EUA para o Caribe a partir de bases militares americanas, onde estão instalados fuzileiros navais e forças especiais.


Sputnik

"Entre 6 e 10 de fevereiro de 2019, aviões de transporte militares realizaram voos em direção ao Aeroporto Rafael Miranda de Porto Rico, à base da força aérea San Isidro na República Dominicana e a outras ilhas do Caribe, que estão estrategicamente localizadas, provavelmente sem governos desses países estarem sabendo", lê-se em comunicado do Ministério das Relações Exteriores cubano.


Avião militar de transporte dos EUA (imagem referencial)
C-130 Hércules da USAF © flickr.com/ Steven Straiton

Chancelaria cubana informa que os aviões decolaram de bases militares dos EUA, onde estão instaladas unidades de forças especiais e de fuzileiros navais, que "são usadas para realizar operações secretas, incluindo operações contra os chefes de outros governos".

Neste sentido, o governo cubano condena as ações dos EUA, como informou o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, no Twitter.

O chanceler cubano pediu a união da comunidade internacional para deter intervenção militar contra o governo venezuelano de Maduro.

Anteriormente, o presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, condenou a iniciativa dos EUA, que propõe que o Conselho de Segurança da ONU adote uma resolução que comprometa a Venezuela a receber assistência humanitária de países estrangeiros.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, disse que não permitirá que a ajuda humanitária estrangeira entre no país, como a oposição insiste. Segundo ele, a Venezuela é capaz de satisfazer todas as necessidades de seu povo e não deve pedir ajuda a ninguém.

No dia 31 de janeiro, o Parlamento Europeu pediu aos países europeus que se juntem ao reconhecimento do líder da oposição. A Rússia, China, Irã e Turquia reafirmaram seu apoio ao atual governo venezuelano de Maduro, enquanto vários países latino-americanos, dentre eles Brasil, alinhados aos EUA e UE, expressaram apoio a Guaidó.

A crise política venezuelana se agravou no dia 23 de janeiro, depois que o chefe da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país durante protestos antigovernamentais realizados nas ruas de Caracas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas