Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Netanyahu confirma recente ataque de Israel contra a Síria

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu confirmou que Israel lançou um ataque contra a Síria em 11 de fevereiro.


Sputnik

Antes de partir ontem à noite para uma conferência internacional sobre o Oriente Médio que decorre em Varsóvia (Polônia) em 13-14 de fevereiro, Netanyahu fez declarações sobre o bombardeio.


Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na reunião semanal de gabinete em Jerusalém, 16 de setembro de 2018
Benjamin Netanyahu © AP Photo / Sebastian Scheiner

"Operamos todos os dias, inclusive ontem [11 de fevereiro] contra o Irã e seus intentos de se entrincheirar na região", afirmou Netanyahu.

O Irã "está lançando ameaças contra nós. No 40º aniversário de sua revolução ameaçou destruir Tel Aviv e Haifa. Disse que não conseguiriam e que, se o tentarem, será o último aniversário que celebram", afirmou o primeiro-ministro israelense.

A mídia estatal síria informou na segunda-feira (11) de que os mísseis lançados por tanques israelenses alcançaram um hospital demolido e um posto de observação na província de Quneitra, no sul da Síria, perto da fronteira com Israel.

"Estamos operando constantemente de acordo com as nossas avaliações e precisamos de evitar que o Irã e seus satélites posicionem bases perto da nossa fronteira norte ou na nossa zona. Fazemos o que é necessário", assinalou Netanyahu na base naval em Haifa.

O ataque de segunda-feira foi dirigido, segundo a mídia israelense, contra as forças do Hezbollah, movimento libanês considerado terrorista por Israel, para o afastar da fronteira israelense.

Se referindo ao Irã, Netanyahu declarou que Israel está "operando através de muitos meios e elementos diferentes contra seus intentos de obter armas nucleares e mísseis balísticos" e de "se entrincheirar na Síria".

Segundo ele, as relações de Israel com outros países do Oriente Médio "são muito boas", exceto com a Síria.

Israel ataca periodicamente a Síria. A última vez foi em janeiro do ano corrente, quando a parte israelense comunicou ter lançado ataques contra armazéns iranianos na Síria e vários sistemas de defesa antiaérea, que abriram fogo contra os aviões que participaram do bombardeio. A ação, a mais devastadora desde maio do ano passado, foi considerada pelos militares israelenses como resposta a uma tentativa registrada na véspera de lançar foguetes contra as colinas de Golã.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas