Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Novo míssil de cruzeiro iraniano preocupa defesa israelense, diz mídia

Durante a celebração do 40º aniversário da Revolução iraniana de 1979 as Forças Armadas do país revelaram seu novo míssil de médio alcance.


Sputnik

O míssil faz parte do sistema de desenvolvimento militar do país que está mudando a capacidade do Irã para projetar sua força através do Oriente Médio.


Míssil de cruzeiro iraniano Hoveizeh 8
Míssil iraniano Hoveizeh-8 © AP Photo / Vahid Salemi

Além disso, o sistema de mísseis supostamente possui um alcance de 1.350 km e é capaz de atingir alvos através da região, bem como na Ásia Central.

Com esse alcance, o Irã pode atingir os principais alvos dos seus principais adversários na região, Israel e Arábia Saudita. O fato é considerado como um marco para o país, já que o novo míssil capaz de atingir seus principais inimigos é de fabricação nacional, o que mostra seu desenvolvimento em sistemas de mísseis de cruzeiro.

O Irã possui um programa de mísseis balísticos desde 1980, contendo as plataformas Shahab-3 e Khorramshahr que possibilitaram o aumento das capacidades iranianas. O desenvolvimento de mísseis de cruzeiro de longo alcance representa uma nova capacidade fundamental.

Assim, o míssil representa um novo desafio para a defesa antimíssil de seus potenciais adversários, sendo consideravelmente mais difícil de detectar e rastrear durante o início e no meio da trajetória, segundo o portal Military Watch.

Hoje, Israel possui sistemas de defesa antiaérea como Kela David (Funda de David) e Barak 8, além do Kipat Barzel (Cúpula de Ferro). Entretanto, nenhum deles está preparado para interceptar o novo míssil iraniano.

O único sistema capaz de interceptar esses alvos é a bateria de mísseis Raytheon Patriot, também usada pela Arábia Saudita, porém, sua eficácia está sendo contestada mesmo contra ataques aéreos relativamente básicos.

Ao saberem do novo míssil iraniano, os analistas de defesa israelenses demonstraram certa apreensão, inclusive em um relatório publicado recentemente, afirmando que o desenvolvimento dos mísseis de cruzeiro Hoveyzeh foi concluído com sucesso e eles "são capazes de voar até o alvo abaixo da detecção do radar".

Além disso, o relatório israelense classificou o míssil iraniano como preciso e de alto risco, já que pode realizar no início de um conflito ataques precisos contra os sistemas de defesa antiaérea israelenses e sauditas sem serem detectados.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas