Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

Pence alega que Irã trama 'outro Holocausto' para eliminar Israel do mapa

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, considera que o Irã é "a maior ameaça à paz e à segurança" na região, além de afirmar que Teerã conspira para "apagar Israel do mapa".


Sputnik

Sua declaração foi efetuada durante uma importante conferência sobre o Oriente Médio na Polônia.


Resultado de imagem para Mike Pence
Mike Pence | Reprodução

"O regime autoritário de Teerã […] defende abertamente a destruição do Estado de Israel. O próprio aiatolá Khamenei disse: 'É a missão da República Islâmica do Irã apagar Israel do mapa'. Além de sua retórica odiosa, o regime iraniano defende abertamente outro Holocausto e busca os meios para alcançá-lo", disse o vice-presidente americano.

Em relação à decisão da saída americana do acordo nuclear iraniano de 2015, Pence acredita que os europeus devam fazer o mesmo.

"É uma medida precipitada que só fortalecerá o Irã, enfraquecendo a UE e criando ainda mais distância entre a Europa e os EUA […] Chegou o momento de os nossos parceiros europeus se retirarem do acordo nuclear com o Irã e se juntarem a nós enquanto exercemos a pressão econômica e diplomática necessária para dar ao povo iraniano, à região e ao mundo a paz, segurança e liberdade que merecem", adicionou.

Quanto ao 40º aniversário da Revolução Islâmica, comemorado no dia 11 de fevereiro, Pence prometeu exercer a máxima pressão sobre o país.

"Há quarenta anos, neste mês os mulás [clérigos mulçumanos] tomaram o controle daquele país […] Hoje, as sanções econômicas dos Estados Unidos contra o Irã são as mais duras da história, e serão ainda mais duras até que o Irã mude seu comportamento perigoso e desestabilizador."

Previamente, o secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo afirmou a repórteres que "confrontar o Irã" é um passo necessário para qualquer nação que queira "alcançar a paz e a estabilidade" no Oriente Médio.

Entretanto, o vice-comandante do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã, general de brigada Hossein Salami, declarou anteriormente que "a estratégia do Irã é remover o regime sionista do mapa político, e os israelenses contribuem para isso com suas atividades criminais".

A conferência sobre o Oriente Médio surge em meio às relações tumultuosas entre o Irã e Israel, com Tel Aviv preocupada com as alegadas tentativas de Teerã de expandir sua influência na região e de estabelecer uma presença militar permanente na Síria.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas