Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Polícia Federal investiga cobrança de propina para construção de submarino da Marinha do Brasil

Polícia Federal em São Paulo cumpre na manhã desta quinta-feira (7) três mandados de busca e apreensão para investigar suspeita de cobrança de propina em contratos para a construção de um submarino da Marinha.


Sputnik

De acordo com Ministério Público de São Paulo, está sendo apurada a prática dos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.


Polícia Federal
Divulgação/PF

O MPF investiga a suspeita de que um engenheiro e um funcionário da Marinha teriam cobrado propina para a realização de contratos para a construção de um submarino no valor de R$ 6 milhões da empresa austríaca Bilfinger Maschinembau GMBA & CO.KO (MAB) no período entre 2008 e 2015.

A companhia estrangeira atua no ramo de fabricação e engenharia de componentes para tecnologia de reatores nucleares.

Segundo a investigação, a empresa firmou 15 contratos administrativos com o Centro Tecnológico da Marinha e com o Comando Naval Brasileiro Europa (BNCE) para o fornecimento de materiais de pesquisa e prestação de serviços envolvendo tecnologia nuclear.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas