Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Reino Unido estuda aplicar sanções contra o governo de Maduro

O Reino Unido avalia novas medidas para promover "a paz e a democracia" na Venezuela, entre elas sanções contra o governo de Nicolás Maduro, disse nesta segunda-feira um porta-voz da primeira-ministra Theresa May.


EFE

Londres - "Como disse nesta manhã o ministro das Relações Exteriores (Jeremy Hunt), os que continuarem violando os direitos humanos dos venezuelanos com o amparo de um regime ilegítimo terão que prestar contas", afirmou.


EFE/ ERNESTO GUZMÁN JR
EFE/ ERNESTO GUZMÁN JR

"Estamos estudando mais medidas para assegurar a paz e a democracia na Venezuela, inclusive mediante sanções", disse o porta-voz de May, que não detalhou quais penalizações poderiam ser aplicadas.

Enquanto o Reino Unido estiver na União Europeia, qualquer sanção será decidida e aplicada em nível comunitário. O porta-voz oficial explicou que, embora normalmente o governo britânico reconhece Estados e não governos, o caso da Venezuela é diferente pela sua Constituição.

"A única coisa que fazemos é reconhecer Guaidó como o presidente interino constitucional até que possam ser realizadas eleições críveis", ressaltou o representante de May.

Hunt anunciou nesta segunda-feira que o Reino Unido reconhece o político de 35 anos como "presidente constitucional interino" da Venezuela até a convocação de eleições, passado o prazo de oito dias dado a Maduro para que ele mesmo convocasse o pleito.

Em comunicado, o chefe do Ministério das Relações Exteriores britânico comentou que "o povo venezuelano já sofreu bastante".

"É hora de um novo começo, com eleições livres e justas conforme os padrões democráticos internacionais. A opressão do ilegítimo e cleptocrático regime de Maduro deve acabar. O povo venezuelano merece um futuro melhor", afirmou Hunt, que na quinta-feira passada propôs a possibilidade de aplicar sanções contra "os corruptos" na Venezuela.

Essa posição foi criticada pelo líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, que condenou qualquer "interferência exterior" na Venezuela e pediu "diálogo" para solucionar a crise no país.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas