Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.


Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


Marinhas dos EUA e do Reino Unido realizam exercícios marítimos conjuntos no Ártico
© Foto: Marinha dos EUA

O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O ministro acrescentou também que a atividade dos submarinos russos no Ártico aumentou nos últimos anos. Em 2017, a Marinha Real teve que interceptar 33 navios russos que se aproximaram das águas territoriais do Reino Unido, em comparação com um só incidente em 2010.

Em 2020, a Força Aérea Real receberá na sua base de Lossiemouth, na Escócia, novos aviões P8 Poseidon que realizarão missões de reconhecimento em uma vasta área que abrange o Atlântico Norte e o Ártico. Uma das suas funções será proteger os submarinos nucleares britânicos.

Gavin Williamson faz frequentemente declarações fortes ligadas à Rússia. Na Conferência de Segurança de Munique ele dedicou uma parte importante do seu discurso à "ameaça de Moscou". O ministro britânico afirma que, após o Brexit, Londres deve "reforçar a sua presença global" e "aumentar letalidade das suas armas".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas