Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Saída americana do Tratado INF ameaça estabilidade global, avisa chancelaria russa

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou que a retirada americana do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) coloca em risco a estabilidade mundial.


Sputnik

"É uma política muito perigosa que pode ter consequências muito graves para a estabilidade global", diz o comunicado no site da entidade.


Lançamento de um míssil dos EUA
© Foto : Departamento de Defesa dos EUA

"A comunidade internacional, e especialmente os cidadãos dos EUA e de outros países da OTAN, cujas autoridades repetem cegamente insinuações americanas, deveria pensar aonde a busca por Washington da ilusão do domínio militar pode levar", acrescenta a publicação.

Segundo o ministério russo, Washington já decidiu há muito tempo seguir o caminho da violação do acordo para garantir dessa forma "a possibilidade de utilizar uma gama ilimitada de ferramentas militares" e "exercer pressão sobre qualquer adversário em qualquer parte do mundo".

A Chancelaria russa salienta que, por muitos anos, "mostrou o máximo de paciência, exigindo que os americanos eliminassem as violações do Tratado INF", mas Washington ignorou os apelos de Moscou, além de acusar a Rússia de violar o tratado sem nenhuma prova, alegando que o míssil russo 9M729, com um alcance de 480 quilômetros, viola o pacto.

Além disso, a instalação de lançadores verticais americanos na Romênia e, em breve, na Polônia, também infringe o tratado, denuncia o órgão russo.

No dia 2 de fevereiro, os EUA suspenderam suas obrigações decorrentes do Tratado INF, assinado em 1987 com a então União Soviética e que proíbe os mísseis balísticos e de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

Em resposta, Moscou anunciou que suspende igualmente a sua permanência do tratado e começa a desenvolver um míssil hipersônico, deixando claro que, além de não querer se envolver na corrida armamentista, também manterá suas propostas de desarmamento e esperará até que os EUA estejam prontos para negociações.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas