Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Saída dos EUA do Tratado INF traz ameaça nuclear à Europa, diz ministra austríaca

A ministra de Relações Exteriores da Áustria, Karin Kneissl, lamentou a decisão dos EUA de abandonar o Tratado INF de mísseis de médio alcance e de curto alcance com a Rússia, apelando às partes para que preservassem o pacto através do diálogo.


Sputnik

"A decisão dos EUA de abandonar o Tratado INF é lamentável", disse a ministra, citada pela assessoria de imprensa do seu ministério.


Ministra de Relações Exteriores da Áustria, Karin Kneissl
Karin Kneissl © Sputnik / Maksim Blinov

Kneissl observou que "quando o documento foi assinado em 1987, foi o início de uma grande 'descongelar' nas relações entre os EUA e a Rússia."

"Foi um marco importante no caminho para o fim da Guerra Fria", acrescentou.

Na opinião dela, "as denúncias recíprocas sobre as violações do tratado são devidas à falta de confiança".

"Os EUA e a Rússia precisam fazer esforços e dialogar para preservar o Tratado INF", enfatizou.

As declarações dos EUA, afirmou ela, levantam preocupações sobre o início de uma nova corrida armamentista nuclear e sobre o desmantelamento de outros pactos fundamentais sobre redução de armas.

"Acordos existentes devem ser honrados, dá-nos segurança se mísseis de médio alcance na Europa reaparecer após mais de 30 anos, isso irá aumentar significativamente a ameaça nuclear no Velho Continente", advertiu a ministra.

O governo dos EUA do presidente Donald Trump anunciou que a partir deste sábado começará o processo de se retirar do Tratado INF, assinado em 1987 com a então União Soviética para proibir mísseis balísticos e de cruzeiro com um alcance de entre 500 e 5.500 quilômetros.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que "se a Rússia não voltar ao cumprimento integral e verificável com o tratado nos últimos seis meses", forçando assim aos EUA a formalização de sua retirada do acordo.

Em outubro de 2018, Trump havia avisado que seu país abandonaria o pacto com o argumento de que Moscou estaria supostamente violando-o. Já a Rússia alega que cumpre com o tratado INF à risca e que será forçado a reagir se Washington o abandonar.

Em 23 de janeiro, os Ministérios de Relações Exteriores e da Defesa da Rússia apresentaram o míssil 9M729, cujo alcance violaria o Tratado INF. Os EUA acusam sem nenhuma evidência — para adidos militares de embaixadas estrangeiras e da imprensa indicaram que seu alcance máximo é de 480 quilómetros, menos do que o coberto pelo tratado.

No entanto, os EUA, que não enviaram seus representantes ao evento, insistem na destruição do dito míssil.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas