Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Venezuela: 'Secretariado da ONU decidiu que não deve fazer parte de nenhum grupo'

Secretário-geral confirmou contatos com representantes de várias iniciativas; embaixador da Guiné Equatorial, país que este mês preside o Conselho de Segurança, disse que tema não figura na agenda de trabalho de fevereiro.


ONU

O secretário-geral das Nações Unidas disse esta segunda-feira que “têm havido várias iniciativas de vários grupos de países” em relação à situação na Venezuela.


Secretário-geral fala a jornalistas na sede da ONU, by Foto ONU/Mark Garten

António Guterres declarou a jornalistas, em Nova Iorque, que esteve em contato com protagonistas de todas essas iniciativas, mas que o Secretariado da ONU decidiu não fazer parte de nenhuma delas.

Distúrbios

Ele acrescentou que o objetivo dessa posição é dar credibilidade à oferta contínua da ONU de bons ofícios para as partes envolvidas possam, a seu pedido, ajudar a encontrar uma solução política para a crise.

Em 29 de janeiro, o Conselho de Segurança discutiu a situação no país onde pelo menos 40 pessoas foram mortas em protestos envolvendo simpatizantes do autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, e do presidente Nicolás Maduro.

Nessa sessão do Conselho, o Departamento dos Assuntos Políticos das Nações Unidas destacou que o diálogo e a cooperação são vitais para acabar com a crise.

Agenda

Antes da declaração de Guterres, a ONU News conversou, em Nova Iorque, com o embaixador da Guiné Equatorial junto à ONU. O diplomata falou das sessões do órgão marcadas para fevereiro, na qualidade de presidente rotativo neste período.

Questionado sobre possíveis debates sobre a Venezuela, Anatólio Ndong Mba declarou que o assunto não estava agendado, mas confirmou haver conversas em nível diplomático.

“Eu não posso ser específico, porque o tema da Venezuela não figura na agenda de trabalho deste mês de fevereiro. Não figura na agenda do Conselho de Segurança. Salvo que algum país, em algum momento, quiser propor. Mas então prefiro não comentar sobre a Venezuela. Vamos esperar. Sabendo perfeitamente que há iniciativas, do México, Uruguai, Nações Unidas. Então vamos ver que desenvolvimentos vão ter essas iniciativas e correntes que existem atualmente. Mas, como ainda não está contemplado na agenda de trabalho, prefiro não especificar.”

Mais de 850 manifestantes já foram detidos após os protestos na Venezuela incluindo dezenas de crianças, de acordo com o Escritório de Direitos Humanos da ONU.

As Nações Unidas estimam ainda que 3 milhões de pessoas deixaram o país desde 2015, devido à crise política e econômica.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas