Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Estados Unidos revigoram programa da Guerra Fria para conter Rússia

A Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) pretende revigorar programa de contenção da Rússia na Europa, que surgiu pela primeira vez durante a Guerra Fria, informa o portal Aviation Week.


Sputnik

O conceito sustenta a estratégia do programa Assault Breaker para criar armas "inteligentes" e de alta precisão, que deveriam parar unidades mecanizadas e tanques soviéticos em caso de início de ataque do Exército Vermelho à Europa.


Bombardeiro estratégico B-52 da Força Aérea dos EUA
B-52 Stratofortress © AP Photo/ Mindaugas Kulbis

Note-se que militares dos EUA planejavam conter o contingente soviético superior na Europa com a ajuda de sistemas de aeronaves e bombas capazes de detectar e destruir equipamentos independentemente.

Naquela época, para cumprimento da missão de contenção, foram escolhidos aviões E-8C JSTARS, que surgem também na versão atualizada do programa como aviação para detecção de inimigo, escreve a mídia. Supõe-se que, depois de detecção, bombardeiros B-52H realizarão ataque de mísseis a veículos blindados inimigos.

A munição utilizada deve ser dotada de sensores infravermelhos para atingir tanques. O programa estabelece 50% de chance de destruir o alvo, com cada bombardeiro estando armado com 20 mísseis. O revigoramento do programa Assault Breaker está associado ao sucesso da Rússia e da China na esfera militar. Segundo o jornal, a criação de um sistema de mísseis pode levar cerca de 10 anos.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas