Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

EUA planejam aumentar a presença de grupo de ataque na Europa para 'conter a Rússia'

Os Estados Unidos devem ampliar a presença rotatória de destroieres de mísseis guiados e submarinos de ataque para fazer frente à Rússia na Europa, disse o chefe do Comando Europeu dos EUA (USEUCOM), general Curtis Scaparrotti, em depoimento ao Congresso nesta terça-feira.


Sputnik

"A USEUCOM está trabalhando com o Departamento [de Defesa] para aumentar a presença rotatória de destroieres de mísseis guiados, um Grupo de Ataque de Portadores e submarinos de ataque, que fornecem poder de combate letal para deter nossos adversários e combater as ameaças crescentes no domínio submarino", declarou Scaparotti ao Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA.


Enterprise Carrier Strike Group transita pelo Oceano Atlântico.
CC0 / Marinha dos EUA/Divulgação

Scaparrotti enfatizou que as capacidades marítimas adicionais estão sendo solicitadas para aumentar a letalidade no domínio marítimo e "para combater as capacidades marítimas russas".

"Semelhante aos domínios terrestre e aéreo, [esta estratégia] requer melhorias de infraestrutura para os portos marítimos de desembarque, bem como para o posicionamento de capacidades navais críticas como munições. O pedido do FY19 também fornece capacidade adicional para sensores e plataformas antissubmarino de guerra P-8", disse Scaparrotti.

Oficiais militares dos EUA têm citado regularmente a necessidade de conter a "ameaça russa". Recentemente, o secretário da Marinha dos EUA, Richard Spencer, chamou Moscou de "uma perigosa ameaça", depois do contratorpedeiro de mísseis McCampbell entrar no Mar do Japão para desafiar o que os Estados Unidos chamaram "alegações marítimas excessivas da Rússia" e defender os usos legítimos do mar.

Há um ano, o então secretário da Defesa dos EUA, James Mattis, apresentou a nova Estratégia de Defesa dos EUA, que trazia uma mudança no modus operandi de Washington relativo a ameaças crescentes de diferentes poderes revisionistas, incluindo a Rússia. Como explicou o secretário da Defesa, Moscou pretendia destruir a OTAN, alterando a segurança da Europa e do Oriente Médio a seu favor. Com o documento, a competição estratégica com a Rússia e outras "potências revisionistas" tornou-se prioridade de longo prazo para o Pentágono.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas