Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Fuzileiros Navais do Brasil e dos EUA ratificam acordo de cooperação

Diálogo conversou com o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil (MB) Nélio de Almeida para conhecer detalhes dessa parceria
Por Marcos Ommati | Diálogo Américas | Poder Naval

Criar mais oportunidades de intercâmbio de conhecimento e treinamento combinado entre os Fuzileiros Navais do Brasil e dos Estados Unidos. Este é o objetivo principal de um plano de cinco anos ratificado em fevereiro de 2019 entre os representantes de ambas as forças, o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil Nélio de Almeida, comandante do Desenvolvimento Doutrinário do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) do Brasil e presidente nacional da Associação de Veteranos desta força, e o Contra-Almirante Michael F. Fahey III, comandante do Corpo de Fuzileiros Navais Sul dos EUA (MARFORSOUTH, em inglês). O C Alte Nélio recebeu Diálogo em seu escritório na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, para dar detalhes do acordo e conversar sobre outros temas de interesse das marinhas do Brasil e de outros países da região e dos E…

EUA tentam impedir que países árabes estabeleçam vínculos com Assad, escreve The Washington Post

Os EUA estão tentando dissuadir seus aliados árabes de restabelecerem laços com o presidente sírio Bashar Assad, ameaçando-os com sanções, escreve o jornal The Washington Post, citando fontes da administração americana.


Sputnik

Os esforços do mundo árabe para reatar as relações com o governo de Assad, agora que ele venceu a guerra, foram suspensos depois que Washington tentou convencer seus aliados de cortarem os vínculos com a Síria.


Bashar al-Assad, presidente da Síria
Bashar Assad © AP Photo / SANA

A razão foi a decisão dos Emirados Árabes Unidos (EAU), no final de dezembro do ano passado, de reabrir sua embaixada em Damasco, além de outras iniciativas para restaurar as relações com Damasco.

De acordo com a publicação, isso acabou gerando a expectativa de que Assad seria novamente aceito no mundo árabe após oito anos de isolamento. A participação da Síria na Liga Árabe está suspensa desde 2011.

Uma fonte no jornal The Washington Post comentou que a administração Trump pressionou seus aliados para que se abstenham de restabelecer as ligações com Assad, além de ameaçar com sanções aqueles que tomarem qualquer iniciativa de participar da reconstrução da Síria.

O jornal ainda refere que os americanos estão trabalhando para garantir que o isolamento da Síria continue e que "todas as forças sob o comando do Irã deixem a Síria".

Muitos Estados árabes, por sua vez, não têm certeza se querem reabilitar um líder que continua vinculado ao Irã por uma longa e estreita aliança, segundo os diplomatas da região. O Irã ganhou influência na Síria ao ajudar Assad a vencer a guerra.

A posição dos EUA sobre o papel do Irã é que "o isolamento político e a pressão política [são] a abordagem adequada", disse um alto funcionário dos EUA, que falou à mídia na condição de anonimato, adicionando que os objetivos incluem a saída da Síria "de todas as forças comandadas pelo Irã".

Já a Rússia avança na direção oposta a essa política, pedindo que os países árabes estabeleçam de fato alianças com Damasco e que se juntem a Assad para reduzir a influência do Irã na Síria, explica o autor do artigo.

A edição finaliza afirmando que muitos dos países árabes, que apoiaram os EUA na luta contra a Síria, agora se deparam com a realidade de Assad muito provavelmente permanecer no poder no futuro próximo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas