Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Força Aérea dos EUA detecta 'problema sério' e suspende operações do avião KC-46

A Força Aérea dos EUA ameaçou rejeitar os aviões de reabastecimento KC-46 Pegasus da Boeing.


Sputnik

A fabricante Boeing continua enfrentando problemas no desenvolvimento de seus aviões de reabastecimento KC-46 Pegasus, desta vez devido à suspensão dos voos de teste e à repreensão de Washington depois que foram encontrados objetos potencialmente perigosos, além de ferramentas, que foram esquecidos dentro dos aparelhos durante o processo de construção das aeronaves.


The Boeing KC-46 tanker program, built on the frame of a Boeing 767, is assembled in Everett. (Mike Siegel / The Seattle Times)
O programa de abastecedores Boeing KC-46, construído no chassi de um Boeing 767, é desenvolvido em Everett. (Mike Siegel / The Seattle Times)

Estes pedaços de metal e ferramentas deixados em diversas partes dos aviões poderiam danificar seus equipamentos ou o cabeamento elétrico, fazendo com que a Força Aérea dos EUA ordenasse a suspensão das operações do novo modelo da Boeing.

Os voos foram retomados nesta quinta-feira (28), porém, tanto a Força Aérea quanto a Agência de Gestão de Contratos de Defesa obrigaram a Boeing a realizar 13 melhoras em sua linha de montagem, advertindo que poderiam rejeitar os aviões.

Segundo o portal The Seattle Times, a Boeing emitiu um memorando interno avisando seus funcionários que o caso da detecção de ferramentas e objetos alheios dentro das aeronaves estava prejudicando a "atual confiança" da Força Aérea em seus produtos.

Além disso, a empresa classificou o caso como "um problema sério", solicitando que todos se esforçassem para demonstrar para a Força Aérea dos EUA que a empresa é "a fabricante de aeronaves número um".

Entretanto, os problemas no controle de qualidade não são o primeiro problema que afeta o programa do Boeing KC-46, cujo custo ultrapassa em US$ 3 bilhões (R$ 11,3 bilhões) o orçamento inicial.

Anteriormente, a empresa foi pressionada para reformular o sistema de sensores e câmeras que controla a conexão da mangueira de abastecimento da aeronave de reabastecimento ao avião receptor. Perante essa situação, Washington ameaçou reter US$ 28 milhões (R$ 106 milhões) por aeronave até que o problema fosse resolvido.

Além dos seis aviões KC-46 que estão em fase de voos de teste, a Boeing forneceu outros seis aviões às bases aéreas de McConnell (Kansas) e de Altus (Oklahoma). Outros 45 aviões estão em fase final de produção.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas