Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Guaidó anuncia seu retorno à Venezuela e convoca manifestações contra Maduro

O líder da Assembleia Nacional da Venezuela e autoproclamado presidente do país, Juan Guaidó, anunciou neste sábado, no Equador, seu regresso a Caracas após uma excursão por alguns países da América do Sul, incluindo o Brasil, e convocou manifestações contra o regime de Nicolás Maduro para a próxima segunda e terça-feira.


EFE

Salinas (Equador) - "Anuncio meu regresso do Equador, país irmão, que hoje também reinicia relações produtivas entre nossos povos, para enfrentar não apenas a crise migratória, mas também o flagelo da corrupção", disse Guaidó, após se reunir com o presidente equatoriano, Lenín Moreno.


EFE/Wladimir Torres
Juan Guaidó | EFE/Wladimir Torres

Ele também pediu ao povo venezuelano que tome as ruas "na segunda e terça-feira, apesar de também ser carnaval na Venezuela", considerando que "hoje temos pouco para comemorar e muito para fazer, por isso vamos pedir protestos nesses dias. Sempre dentro da Constituição".

Guaidó chegou hoje ao Equador, sua última parada de uma excursão que o levou a vários países do continente e teve uma audiência com o presidente Moreno, na Base Naval de Salinas, na província de Santa Elena.

Depois da reunião privada, os dois líderes visitaram o calçadão da cidade, onde Guaidó foi aplaudido por numerosos membros da comunidade venezuelana que gritavam "liberdade, liberdade!".

No dia 23 de janeiro, Guaidó se autoproclamou presidente encarregado da Venezuela, ao considerar que Nicolás Maduro usurpa o cargo e teve o reconhecimento de 50 países.

Na última semana ele visitou o Brasil, Colômbia, Paraguai e Argentina, onde foi recebido com honras de chefes de estado.

Até o momento, a data em que Guaidó planejava retornar ao seu país, que deve acontecer amanhã, era desconhecida.

Guaidó saiu de Caracas o final da semana passada, viajando para a Colômbia, na fronteira com a Venezuela, onde participou de um show em favor dos venezuelanos e da entrega de ajuda humanitária ao país.

O líder político pode ser preso quando retornar ao seu país por violar a proibição de deixar o território nacional.

Em seu discurso, pediu que as autoridades venezuelanas participem dos protestos convocados e assegurou uma anistia para aqueles que não deixem de cooperar com o chavismo.

A União Europeia (UE) alertou hoje que qualquer ação que coloque em risco "a liberdade, a segurança ou a integridade pessoal" do líder da Assembléia Nacional da Venezuela aumentaria a tensão e mereceria ser condenada.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas