Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Guaidó diz que seu chefe de gabinete foi detido

Informação não está confirmada. Na semana passada, Ministério Público anunciou que começou a investigar Guaidó por sua suposta 'responsabilidade' em apagão que atingiu a Venezuela.


Por G1

O autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, denunciou que seu chefe de gabinete foi detido na madrugada desta quinta-feira (21) pelo serviço de inteligência venezuelano. "Desconhecemos seu paradeiro. Deve ser libertado imediatamente", afimou.

Juan Guaidó fala com funcionários públicos em Caracas nesta terça (5) — Foto: Iván Alvarado/Reuters
Juan Guaidó fala com funcionários públicos em Caracas nesta terça (5) — Foto: Iván Alvarado/Reuters

A informação não tem confirmação oficial, mas Sergio Vergara, que é deputado da Assembleia Nacional por San Cristóbal, disse ter presenciado o momento em que Roberto Marrero foi levado de sua casa em Caracas.

Segundo ele, Marrero declarou ao deixar a residência que "dois fuzis e uma granada foram plantados em sua casa". O seu paradeiro é desconhecido.

Antes disso, por volta das 2h (3h de Brasília), 15 agentes encapuzaram do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) chegaram à casa de Sergio Vergara.

O deputado contou que os agentes o imobilizaram, deixando-o com o rosto no chão. Eles perguntavam se ele estava sozinho e se sabia onde Marrero, que é seu vizinho, morava.

O deputado disse ter afirmado várias vezes que eles estavam “violando um direito constitucional, como é o da imunidade parlamentar e que de nenhuma maneira teria por que obedecer a ordens inconstitucionais”. Eles o mantiveram em casa por cerca de duas horas. Após ser liberado, ele presenciou o momento em que Marrero foi levado pelos agentes.

Em entrevista coletiva, na tarde desta quinta, Guaidó afirmou que o governo de Maduro tenta intimidá-lo com a prisão de Marrero. "É um sequestro vil e vulgar que procura nos intimidar, eles não vão nos tirar do caminho que planejamos", disse.

Os governos de Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Peru e demais membros do Grupo de Lima condenaram fortemente a detenção de Marrero. "O Grupo de Lima demanda do regime ilegítimo e ditatorial de Nicolás Maduro a libertação imediata do Sr. Marrero e o pleno respeito da imunidade parlamentar do deputado Vergara", diz comunicado do grupo.

Investigação sobre apagão

Na semana passada, o Ministério Público venezuelano anunciou ter começado a investigar Guaidó por sua suposta "responsabilidade" no apagão que deixou a Venezuela semiparalisada por vários dias no início do mês. A pane provocou o cancelamento de voos, suspensão de aulas nas escolas, saques e prejudicou ainda mais o atendimento nos hospitais.

A companhia de energia estatal, Corpoelec, denunciou uma sabotagem da central hidrelétrica venezuelana de Guri, a mais importante do país e uma das principais da América Latina. O governo alega que os Estados Unidos, que apoiam Guaidó, teriam ligação com o incidente.

Quando Guaidó deixou a Venezuela em fevereiro, o presidente Nicolás Maduro afirmou que ele teria que “prestar contas com a justiça”. Guaidó atravessou a fronteira e foi à Colômbia para acompanhar uma tentativa de entrega de ajuda humanitária aos venezuelanos, desrespeitando uma determinação do Tribunal Supremo da Venezuela. O tribunal, que é favorável a Maduro, tinha proibido Guaidó de sair do país e congelado suas contas.

Depois da Colômbia, Guaidó ainda visitou o Brasil, além de outros países latino-americanos, antes voltar a Caracas. Na volta, liderou um protesto contra o governo e, desde então, a comunidade internacional acompanha com atenção o desenrolar da crise política que atinge o país.

À BBC, em tom desafiador, Guaidó declarou que nenhum organismo de segurança controlado por Maduro “ousou” prendê-lo.

Fritadeira Elétrica Sem Óleo/Air Fryer Mondial - Pratic AF-20 Preta e Prata 2,4L com Timer
Fritadeira Elétrica Sem Óleo/Air Fryer Mondial - Pratic AF-20 Preta e Prata 2,4L com Timer 110V

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas