Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Reuniões no Brasil e na África do Sul tratam da produção e certificação do novo caça

Em São José dos Campos (SP), autoridades falaram sobre atualizações no acordo de reconhecimento bilateral entre os órgãos de Aeronavegabilidade Militar


Agência Força Aérea | DefesaNet

Encontros realizados no Brasil e na África do Sul trataram do andamento da produção e da certificação da aeronave F-39 Gripen, o novo caça da Força Aérea Brasileira (FAB). Representantes da Autoridade de Aeronavegabilidade Militar Sueca (SE-MAA) estiveram em São José dos Campos (SP), nos dias 20 e 21 de março, para a 7ª Gripen Joint Certification Team Meeting.

Resultado de imagem para produção gripen ng
Gripen NG (Imagem: Saab)

A reunião, que acontece duas vezes ao ano, alternadamente no Brasil e na Suécia, ocorreu no Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI), organização subordinada ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) que atua como Autoridade Técnica de Aeronavegabilidade Militar Brasileira.

Já na Cidade do Cabo, entre os dias 18 e 22 de março, foi realizada a primeira conferência do Gripen User’s Group (GUG) do ano de 2019.

A iniciativa intergovernamental entre as forças aéreas que atualmente operam a aeronave Gripen objetivou facilitar a troca de informações relativas ao emprego do caça, a fim de estabelecer uma cooperação mútua entre os participantes, focando na eficiência operacional, bem como nos aspectos técnicos do projeto.

No encontro do Brasil, foram discutidas atualizações no acordo de reconhecimento bilateral entre os dois órgãos responsáveis pela Aeronavegabilidade Militar, o qual rege as responsabilidades de cada autoridade, a equivalência de documentos e as relações institucionais nos projetos de certificação de interesse mútuo.

Houve, ainda, avanço no procedimento conjunto para a verificação de aeronavegabilidade durante a campanha de ensaios em voo no Brasil, prevista para começar em 2020. A pedido do SE-MAA, o IFI apresentou seu sistema de Garantia Governamental da Qualidade (GGQ) e o processo de certificação de softwares, áreas que o órgão sueco já demonstrou interesse em incorporar a participação direta dos especialistas do IFI.

Para o Diretor do IFI, Coronel Aviador José Renato de Araujo Costa, a estratégia acordada com a autoridade sueca para a certificação do Gripen permite o apoio mútuo e a otimização dos recursos humanos e materiais empregados na comprovação do atendimento aos requisitos que garantem a segurança da aeronave.

Gripen User’s Group

Na África do Sul, representantes das Forças Aéreas da Suécia, República Tcheca, Hungria, África do Sul, Tailândia e Brasil compartilharam suas experiências no uso operacional do caça supersônico. O encontro também explorou as possibilidades de futuras atividades conjuntas, além de programas de aquisição conjunta conectados com o emprego da aeronave Gripen.

A FAB participou com uma delegação que compõe o Grupo de Aquisição e Desenvolvimento e Grupo de Trabalho Operacional (A&D and Op). Durante a conferência, houve apresentações de todos os participantes, onde foi mostrada a situação atual das frotas de Gripen dos países operadores, bem como dos desafios operacionais e logísticos enfrentados.

A delegação brasileira apresentou a evolução da produção do Gripen, detalhando as fases de construção das primeiras aeronaves, o cronograma de entregas à FAB e o programa de treinamento dos pilotos, além dos principais equipamentos e armamentos que irão integrar o novo caça.

Produção

O cronograma de entrega dos caças inicia-se a partir de 2021. O primeiro voo da aeronave brasileira (Flight Test Instrumentation) está previsto para ocorrer ainda em 2019. Parte das 36 aeronaves Gripen brasileiras, que na FAB serão denominadas de F-39 E/F, será fabricada totalmente na Europa, por funcionários da empresa SAAB.

Outras terão a fabricação iniciada na Suécia e terminada no Brasil, com a participação de técnicos e engenheiros brasileiros. Essa integração faz parte da transferência de tecnologia prevista em contrato e tem por objetivo angariar conhecimentos práticos necessários para a execução dessas mesmas atividades no Brasil.

Aviao Grumman E-1 TRA-CER - USS Constellation - GIIC

Aviao Grumman E-1 TRA-CER - USS Constellation - GIIC

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas