Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Israel viola espaço aéreo e marítimo do Líbano

Um drone de Israel violou o espaço aéreo do Líbano no sábado (13), enquanto uma lancha militar israelense entrou ilegalmente no espaço marítimo do país, informou a agência de notícias libanesa NNA.


Sputnik

As informações sobre as missões de reconhecimento dos dois veículos israelenses foram divulgadas pelo Estado-Maior libanês.

Soldado libanês (foto de arquivo)
© REUTERS / Mohamed Azakir

"Em 13 de abril, uma lancha militar israelense violou o espaço marítimo do Líbano entre as 3h38 e as 9h40, horário local, perto do Cabo An Naqoura, tendo penetrado 535 metros", comunicou a agência de notícias libanesa NNA, citando uma declaração da entidade militar do país.

De acordo com a mesma fonte, um drone do modelo MK, pertencente também a Israel, realizou voos de reconhecimento em baixas altitudes sobre a região de Marjiun, no sul do país.

A declaração destaca que o incidente foi observado tanto pelos militares libaneses, como pelos "capacetes azuis" da ONU (Força Interina das Nações Unidas no Líbano, UNIFIL, na sigla em inglês).

Israel viola frequentemente o espaço aéreo, marítimo e terrestre do Líbano. Segundo dados do Ministério das Relações Exteriores do Líbano, no decurso do ano de 2018, Israel violou o espaço aéreo libanês e entrou em suas águas territoriais 1.417 vezes.

As autoridades libanesas já apelaram várias vezes ao Conselho de Segurança da ONU pedindo uma ação contra Tel Aviv, cujas ações "constituem uma violação da soberania do Líbano".

Navio de madeira - Btc decor

Navio de madeira - Btc decor

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas