Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Fuzileiros Navais do Brasil e dos EUA ratificam acordo de cooperação

Diálogo conversou com o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil (MB) Nélio de Almeida para conhecer detalhes dessa parceria
Por Marcos Ommati | Diálogo Américas | Poder Naval

Criar mais oportunidades de intercâmbio de conhecimento e treinamento combinado entre os Fuzileiros Navais do Brasil e dos Estados Unidos. Este é o objetivo principal de um plano de cinco anos ratificado em fevereiro de 2019 entre os representantes de ambas as forças, o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil Nélio de Almeida, comandante do Desenvolvimento Doutrinário do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) do Brasil e presidente nacional da Associação de Veteranos desta força, e o Contra-Almirante Michael F. Fahey III, comandante do Corpo de Fuzileiros Navais Sul dos EUA (MARFORSOUTH, em inglês). O C Alte Nélio recebeu Diálogo em seu escritório na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, para dar detalhes do acordo e conversar sobre outros temas de interesse das marinhas do Brasil e de outros países da região e dos E…

‘E essa mulher fui eu, do Brasil’, diz militar que liderou tropas de paz na África (VIDEO)

Conheça o perfil de uma brasileira no Saara Ocidental que comandou tropas de paz das Nações Unidas, na região de Tifriti. Ela acaba de encerrar oficialmente o comando de tropas na região desértica próxima do Marrocos, da Mauritânia e da Argélia.


ONU

Em 1976, após a administração espanhola, o Saara Ocidental registrou combates entre o Marrocos e a Frente Polisário até que foi assinado um cessar-fogo em setembro de 1991.


Resultado de imagem para ‘E essa mulher fui eu, do Brasil’, diz militar que liderou tropas de paz na África
Andréa Firmo | Reprodução

Foi precisamente há 28 anos que a Missão das Nações Unidas para o Referendo no Saara Ocidental, conhecida pela sigla “MINURSO”, foi destacada.

O mandato da operação de paz prevê monitorar o cessar-fogo entre o governo de Marrocos e a Frente Polisário, para que – havendo consenso entre as partes – seja organizado um referendo sobre autodeterminação no Saara Ocidental.

A brasileira Andréa Firmo foi pioneira em liderança feminina de uma base (Team Site) de observadores militares e conta como foi sua experiência nas terras do deserto nos últimos 12 meses. Confira a seguir a entrevista da brasileira à ONU News:

Como foi o trabalho desenvolvido na MINURSO?

Eu iniciei como uma observadora normal, como uma observadora militar com suas tarefas cotidianas, e terminei como comandante de um Team Site em Tifriti, fazendo toda a parte de coordenação das atividades que os observadores militares fazem no Team Site.

Essa designação de comandantes de Team Site foi dada pela primeira vez a uma mulher. E essa mulher fui eu, do Brasil, como tenente-coronel da área de educação. Então, o desafio era imenso.

E a mudança, também, do tipo de atividade. Porque a partir do momento em que eu era uma observadora militar, eu fazia uma função rotineira de monitoramento e relatos. Como comandante permanente de Team Site, eu passaria a comandar 22 nacionalidades diferentes e mais os polisários (integrantes da Frente Polisário), que eram os trabalhadores locais, e com isso eu faria uma coordenação geral de ligação entre o Team Site e o quartel-general.

A principal tarefa de um observador militar é observar, monitorar e reportar toda e qualquer atividade que seja uma atividade que vá causar dano ao acordo entre ambas as partes. Uma atividade que não esteja prevista no acordo. Esse tipo de relatório é gerado diariamente.

Então, o observador militar precisa preparar o seu veículo, para que ele saia numa patrulha que geralmente é composta por quatro observadores militares. Um é o motorista, que é chamado de primeiro motorista. O observador militar que vai ao lado do primeiro motorista é o líder de patrulha.

No segundo carro, que é um comboio dessa patrulha, a gente tem o segundo motorista, que é acompanhado do navegador. Então, essa questão do monitoramento é feita de acordo com a área programada para monitoramento. Esse monitoramento acontece em nove Team Sites. Nós conseguimos cobrir com isso todo o Saara Ocidental tanto da parte oeste quanto da parte leste.

Como é o sentimento de encerramento desse trabalho?

Esse sentimento é realmente um sentimento muito diferente do início da missão. É um sentimento de que ainda tinha tanta coisa para fazer, mas o tempo acabou. E esse engajamento foi um engajamento tão necessário, porque todo conflito gera uma relação de muito desconforto de ambas as partes. Então, as pessoas que estão envolvidas nesses conflitos sofrem muito.

Quando entramos em contato com essas pessoas, com esses locais, nós nos envolvemos com a história de maneira a ter decisões que vão afetar positivamente o que nós estamos fazendo aqui, que é a manutenção do cessar-fogo.

Então, quando há um término desse envolvimento que estava acontecendo diariamente, a sensação é de tristeza, mas uma tristeza diferente, uma tristeza de ‘que pena que acabou’, fiz a minha parte, missão cumprida, mas ainda tem tanto a fazer.

Por isso que o sentimento que eu vou levar para a vida é que mais pessoas, mais mulheres, precisam estar nessa missão, fazendo no terreno a diferença para aquelas mulheres locais que, pela nossa empatia feminina, conseguem relatar os seus problemas.

Como você vê a participação das mulheres nas missões de paz da ONU?

Essa designação foi feita pelo comandante da Força. O nosso comandante da Força da MINURSO achou interessante apontar uma mulher como comandante de um Team Site, de um desses nove Team Sites, ao longo desse período em que eu estive na missão. E esse compromisso foi dado a mim e eu me senti muito honrada por isso.

Alguma mensagem que queira passar em especial para as mulheres?

Eu gostaria de dizer para todas as mulheres militares do nosso país, do nosso Brasil, e do mundo inteiro que nós abrimos caminhos e agora nos resta mantê-los. Como?

Enviando mulheres militares engajadas e com vontade de continuar o nosso trabalho, porque esse empoderamento feminino, principalmente na área militar, só traz vantagens.

Por isso que o nosso secretário-geral António Guterres está fazendo esse esforço de implementação da igualdade de gênero. Então a minha mensagem é venham porque as portas já estão abertas esperando por vocês.



Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas