Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Prestes a 'ganhar' território do tamanho da Arábia Saudita, Brasil carece de recursos para defesa

A ONU deve ratificar no próximo mês, o pleito brasileiro em estender sua faixa de águas jurisdicionais em pelo menos 2,1 milhões de km², uma área equivalente à extensão da Arábia Saudita. Para especialista ouvido pela Sputnik Brasil, movimento precisa vir acompanhado de modernização da Marinha.
Sputnik

Como a Sputnik Brasil mostrou em maio, a demanda já dura há pelo menos 30 anos e tem relação com medições técnicas sobre o ponto onde termina o Brasil continental e até onde é lícito explorar as águas do entorno. O mar territorial brasileiro têm atualmente cerca de 12 milhas náuticas (22 quilômetros) na faixa de água e uma zona econômica exclusiva de 200 milhas náuticas (370 quilômetros). Na parte de solo e sub-solo, área na qual o Brasil pleiteia a extensão, há um limite de mais 200 milhas regulamentadas.

Responsável pela proteção da área oceânica, a Marinha brasileira vem desenvolvendo pesquisas na região desde 2004. Os militares já identificaram potencial possibilidade de exploração de …

Eurodeputado: militares no Brasil usaram 'golpe seco' a Bolsonaro para prevenir invasão da Venezuela

Em meio às tensões entre Washington e Caracas, tem sido debatida a possibilidade de uma invasão militar dos EUA do país sul-americano através do território brasileiro ou colombiano.


Sputnik

Em entrevista à Sputnik Mundo, Javier Couso, deputado ao Parlamento Europeu, comentou a possibilidade de tal intervenção e do envolvimento nela do Brasil e da Colômbia.

Presidente Bolsonaro discursa na Câmara de Comércio em Washington, 18 de março de 2019
© AP Photo / Susan Walsh

O eurodeputado apontou que, nos últimos tempos, os Estados Unidos têm sido um "poder em decadência", citando como exemplo o Iraque.

"Ultimamente os EUA têm sido um poder em decadência, vimos isso em uma demonstração de força com o Iraque e não podiam nem controlar o país. Interviram com 100.000 soldados, mas não o puderam controlar em nenhum momento. Agora imagina com a Venezuela. Eles querem fazê-lo com uma dupla tenaz: Brasil e Colômbia."

Ele indicou que os militares no Brasil, por meio do "golpe seco" ao presidente da República, deixaram claro que os EUA não poderiam utilizar o território do país para invadir o vizinho sul-americano.

"No Brasil o setor militar, através do que foi denominado um 'golpe seco' a Bolsonaro, disse claramente aos EUA que não vai proporcionar seu território para invadir a Venezuela. Além disso, a Colômbia vive um momento de reativação da insurgência pelo fracasso quase total do Processo de Paz, com o que teriam uma retaguarda muito quente caso entrem por aí", disse o eurodeputado espanhol.

Ele adicionou que o Exército colombiano "não está preparado" para uma provável invasão.

"O Exército colombiano não está preparado para enfrentar um exército moderno. De fato, os meios aéreos não têm comparação com o poder aéreo e antiaéreo da Venezuela", comentou Couso, acrescentado que os sistemas de armas venezuelanos, além da orografia, beneficiariam Caracas contra os EUA.

"Em qualquer caso, essa ameaça é intolerável no palco internacional, e eu creio que os EUA estão assumindo que estão perdendo e, por isso, estão criando outra vez tensões contra a UE e contra a China, aumentando sua tensão contra o Irã", ressaltou.

Mini Ventilador de Mesa USB Ventisol 15cm - 1 Velocidade

Mini Ventilador de Mesa USB Ventisol 15cm - 1 Velocidade

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas