Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Esquadra Brasileira perderá dois navios-escolta em 2019: Niterói e Jaceguai

O Comando da Esquadra e o Gabinete do Comandante da Marinha acertaram, para este ano, a baixa de dois navios-escolta cuja preservação, em termos de relação custo/benefício, já não se justifica.


Por Roberto Lopes* | Poder Naval

No dia 28 deste mês, o novo chefe do Estado-Maior da Armada, almirante de esquadra Celso Luiz Nazareth, presidirá a cerimônia de Mostra de Desarmamento da fragata Niterói (F40) – navio que, na metade final dos anos de 1970, se tornou um ícone da renovação da velha Esquadra brasileira, de embarcações construídas à época da 2ª Guerra Mundial e herdadas das sobras da frota dos Estados Unidos.

Fragata Niterói
Fragata Niterói – F40. Foto: Alexandre Galante

Um pouco mais tarde – a 18 de setembro – será desativada a corveta Jaceguai (V31), da classe Inhaúma, que na década de 1990 representou uma tentativa da Marinha do Brasil (MB) de voltar a construir embarcações de superfície no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro.

O descomissionamento da Jaceguai divide opiniões na Esquadra, já que as Administrações Moura Neto e Leal Ferreira se dispuseram a investir para tentar recuperar o seu sistema de propulsão.

Corveta Jaceguai
Corveta Jaceguai – V31

Exclusão 

Segundo duas fontes militares deste blog, outras duas Niterói – a Constituição (F42) e a Liberal (F43) – se encontram em mau estado de conservação e, por isso, foram excluídas do programa de revitalização a que a classe será submetida.

Os navios a serem atualizados, de forma a que possam navegar até a metade final da próxima década (por volta do ano de 2028), são a União (F45), a Independência (F44) e a F41 Defensora (há vários anos em reparos).

De acordo com o que o Poder Naval pôde apurar, a MB também prepara, em sigilo, um exercício torpédico com o emprego do torpedo Mk.48, de origem americana, usado pela Força de Submarinos (ForSub).

O alvo, ao que tudo indica, será uma corveta da classe Inhaúma.

*É jornalista graduado em Gestão e Planejamento de Defesa pelo Centro de Estudos de Defesa Hemisférica da Universidade de Defesa Nacional dos EUA. Especialista em diplomacia e assuntos militares da América do Sul. Autor de uma dezena de livros, entre eles “O código das profundezas”, sobre a atuação dos submarinos argentinos na Guerra das Malvinas e “As Garras do Cisne”, sobre os planos de reequipamento da Marinha do Brasil após a descoberta do Pré-Sal.

Barco Inflável Fischmann 350 com Remos e inflador MOR

Barco Inflável Fischmann 350 com Remos e inflador MOR

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas