Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Militares cancelam acordos com opositores e convocam novas eleições no Sudão

Protestos nesta segunda-feira deixaram dezenas de mortos. País africano vive crise desde queda do último presidente.


Por G1

A junta militar atualmente no poder no Sudão anunciou nesta segunda-feira (3) – madrugada de terça no horário local – que vai cancelar todos os acordos com os líderes dos protestos que tomaram o país há meses. Além disso, o conselho afirmou que vai convocar novas eleições em até nove meses.

Manifestantes sudaneses utilizam pneus em chamas para erguer uma barricada durante protesto em Cartum, no Sudão, onde exigem que o Conselho de Transição Militar do país entregue o poder a civis — Foto: Reuters
Manifestantes sudaneses utilizam pneus em chamas para erguer uma barricada durante protesto em Cartum, no Sudão, onde exigem que o Conselho de Transição Militar do país entregue o poder a civis — Foto: Reuters

O líder do Conselho Militar de Transição, o general Abedel-Fattah Burhan, afirmou que as eleições terão supervisão internacional. O militar também disse que um novo governo interino será formado para preparar o pleito.

Horas antes, na capital Cartum, um protesto contra o conselho militar terminou com a morte de ao menos 35 pessoas, número divulgado pelo Comitê Central de Médicos do Sudão – que é favorável aos manifestantes. Ainda de acordo com o grupo, centenas de pessoas se feriram no confronto.

As lideranças oposicionistas e a Embaixada dos Estados Unidos no Sudão acusam as forças de segurança de terem iniciado o confronto. O Conselho Militar de Transição nega, mas Burhan manifestou pesar e ordenou uma investigação sobre os protestos.

Em 14 de maio, militares e manifestantes concordam em estabelecer um período de transição política no Sudão de três anos. Entretanto, o acordo não surtiu efeito, e as manifestações continuaram.

Crise no Sudão

Desde a queda do ex-presidente Omar Al-Bashir, em 11 de abril, o Sudão se vê em meio a uma crise para definir quem vai governar o país.

Mesmo depois da queda de al-Bashir, que ocupou o poder durante 30 anos, a mobilização no país continua: sudaneses foram às ruas da capital do país, Cartum, para denunciar a repressão e mortes após a queda do presidente. Eles querem que o governo seja assumido por um civil.

A chefia do país foi assumida por uma junta militar após a deposição de Bashir, mas, sob pressão popular, o chefe do governo de transição deixou o cargo dias depois.

Desde a noite de domingo, os manifestantes bloqueiam uma grande avenida de Cartum, após acusarem os militares de fechar a ponte que dá acesso ao QG do Exército.

Mochila de Hidratação 1,5 Litros Aqua - Acte Sports

Mochila de Hidratação 1,5 Litros Aqua - Acte Sports

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas