Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Análise: presidente ucraniano mata sua indústria ao introduzir novas sanções contra Rússia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto sobre as sanções contra a Rússia adotadas pelo Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia. O especialista Eduard Popov falou com a Sputnik e indicou qual o principal objetivo perseguido pelo governo ucraniano com tal iniciativa.


Sputnik

Em 2 de maio, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia ampliou as medidas restritivas em relação a diversas pessoas físicas e jurídicas russas, bem como prolongou a vigência das sanções introduzidas anteriormente.

Presidente ucraniano Pyotr Poroshenko durante entrevista para a agência Bloomberg em Davos, Suiça, 17 de janeiro de 2017
Pyotr Poroshenko © Sputnik / Serviço de imprensa do presidente da Ucrânia

Segundo informou a assessoria de imprensa da entidade, as sanções são aplicadas a pessoas "relacionadas com a agressão no ciberespaço e no campo informacional" contra a Ucrânia, "ações criminosas" contra os cidadãos ucranianos detidos na Rússia, bem como aos deputados da Duma de Estado e do Conselho da Federação da Rússia.

O diretor do Centro de Cooperação Pública e Informativa "Europa", Eduardo Popov, disse ao serviço russo da Rádio Sputnik em que, a seu ver, consiste o principal objetivo dessa decisão.

"Acredito que Pyotr Poroshenko, ao assinar esse documento, em primeiro lugar pensa em como agradar aos seus patrocinadores norte-americanos, que hoje em dia têm relações difíceis com o seu maior aliado, ou seja, a União Europeia. Na Europa, as sanções norte-americanas são longe de ser elogiadas, pelo contrário, há cada vez mais apelos ao seu cancelamento ou, pelo menos, ao seu abrandamento. Por isso, acredito que, nesse contexto, Poroshenko espera por mais ajuda à Ucrânia, em primeiro lugar, de caráter financeiro. A segunda coisa com qual conta é a adesão da Ucrânia à OTAN, após o que surgirá a possibilidade hipotética de integrar a União Europeia também. É nisso que reside, em minha opinião, o principal objetivo de Poroshenko", sublinhou o entrevistado.

De acordo com o especialista, com suas sanções contra a Rússia, Kiev apenas prejudica seus próprios produtores.

"Faço lembrar que neste ano houve um aumento drástico do comércio entre a Rússia e a Ucrânia. Apesar de todas as sanções, a Rússia e a Ucrânia continuam com uma cooperação estreita. E a Rússia continua sendo um parceiro muito importante para a Ucrânia, no sentido de que Moscou compra à Ucrânia a produção das suas fábricas, enquanto seu comércio [ucraniano] com a Europa tem a ver principalmente com matérias-primas. Nesse sentido, a Rússia garante pelo menos alguma sustentabilidade àquilo que restou da indústria ucraniana. Por isso, o documento assinado hoje por Poroshenko vai botar mais um prego no caixão da indústria ucraniana", afirmou.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas