Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Analista: objetivo dos EUA na Síria é impedir manutenção da influência russa

A Rússia acusou os EUA da criação de "zonas cinzentas" na Síria onde se escondem os terroristas. O especialista Vladimir Fitin explicou, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, por que os EUA podem se beneficiar com a preservação da ameaça de renascimento do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia) na Síria.


Sputnik

A Rússia receia que, após a saída dos militares norte-americanos da Síria, nos territórios controlados por eles possa renascer o Daesh. Isso foi declarado pelo representante adjunto da Rússia na ONU, Dmitry Polyansky, na reunião do Conselho de Segurança.

Soldados norte-americanos na Síria
Militares dos EUA na Síria © AFP 2018 / Delil Souleiman

"Antes de acusar a Rússia ou o Irã, digam: em que se baseia a presença dos militares norte-americanos na Síria e qual é seu objetivo real?", perguntou o diplomata, mencionando a criação destas "zonas cinzentas".

Em particular, ele se interessou pelo que se passa com as centenas de militantes do Daesh que estão nas mãos das forças leais aos EUA.

"Não está em curso nenhuma investigação em relação a eles, os países da origem dos terroristas vocês também não revelam", notou Polyansky.

O analista do Instituto de Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik explicou por que os EUA podem ser a favor da preservação da ameaça terrorista na Síria.

"O objetivo principal dos norte-americanos na Síria é não deixar que a influência russa, junto com a iraniana, continue neste país. Por isso se faz tudo para que o nordeste do país permaneça um território não controlado pelo governo central. É por isso também que apoiam as unidades de autodefesa curdas com o contingente árabe sunita", ressaltou o especialista.

Ele disse ainda que não crê que os norte-americanos possam sair da Síria, já que falam disso há muito, mas não fazem nada. Fitin concluiu dizendo que, para os EUA, será vantajoso que os terroristas permaneçam na Síria e impeçam a "unificação do país árabe sob o governo de [presidente sírio Bashar] Assad ou qualquer outro presidente que tenha relações de amizade com a Rússia".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas